O Grande Grimório é considerado um dos livros mais autênticos no que se refere aos pactos e à forma de evocar espíritos e obrigá-los a realizar os desejos do evocador. É difícil afirmar a data de sua redação por não se haver encontrado nenhum manuscrito anterior à data de sua primeira impressão no século XVIII. Algumas fontes afirmam ser posterior ao Grimorium Verum, mas para outros é contemporâneo ou inclusive obra do mesmo autor do Lemegeton ou Chave Menor de Salomão, obra datada com certa segurança no ano de 1500. O Grande Grimório é atribuído oficialmente à Antonio del Rabino, um mago veneziano que afirmava haver redigido a obra baseando-se em textos assinados pelo próprio Rei Salomão (Filho de David e profeta do Antigo Testamento). No Grande Grimório especifica-se com detalhes como evocar e pactuar com Lucifugo Rofocal. Consciente dos riscos que encerraria tal pacto, Antônio del Rabino, ou quem quer que tenha sido seu autor, incluiu no Grande Grimório uma série de cláusulas cheias de duplos sentidos, que permitem burlar o diabo quando este se apresente para reclamar sua parte no pacto.

Leia um trecho deste Grimório...

O Grimorium Imperium é um livro raríssimo escrito por Abdul al-Hazred (o mesmo autor de O Necronomicon). Ensina as práticas de conjurar espíritos mais ferozes  e poderosos que aqueles conjurados pelo Rei Salomão - Os Espíritos Antigos. Estes espíritos somente podem ser evocados quando os astros estiverem favoráveis para eles.  No Grimórium Imperium - Abdul al-Hazred descreve minuciosamente como devem ser feitas estas operações. Além destes espíritos há também os espíritos mensageiros destes que podem ser conjurados em determinadas horas. Estes espíritos são chamados as faces de Nyarlathotep e são mais maleáveis de se conjurar e também possuem muitos poderes.

A versão deste livro que traduzimos é explicada pelo grande astrólogo, conselheiro da Rainha Elizabeth I e mago canalizador da Magia Enochiana  e decifrador do Idioma de mesmo nome - John Dee. Veja abaixo os comentários de John Dee sobre este Grimório: Leia um trecho deste Grimório...

 

 

 

 

 

Não se tem a data exata do nascimento do Papa Leão III, mas ele foi eleito Papa no dia 26 de Dezembro de 795 e seu pontifício durou até 816 por ocasião de sua morte. 

Era Romano, foi eleito á pressas provavelmente para evitar a interferência dos Francos na escolha do papa sucessor. No entanto, Leão III visionário e muito inteligente, a primeira atitude que tomou como Papa foi enviar uma Carta ao rei dos Francos, Carlos Magno - que era um Guerreiro Promissor - contendo as chaves da confissão de São Pedro e a Bandeira da Cidade. Lisonjeado, Carlos Magno lhe enviou cartas de Felicitações e uma considerável parte do Tesouro que havia tomado dos Ávaros. A aquisição desta primeira riqueza foi uma das causas que permitiram a Leão ser um grande benfeitor das igrejas e instituições de caridade de Roma.

O Papa despertou a hostilidade dos nobres, a inveja  e a ambição de outros, em 25 de abril de 799 durante uma procissão o Papa foi atacado por um grupo de homens armados que tentaram arrancar-lhe os olhos e a língua. Deixaram-no semi-morto sangrando no chão. À noite foi levado às escondidas para o Monastério de São Erasmo, onde se curou como que milagrosamente recuperando em pouquíssimo tempo  totalmente a visão e as funções da língua.

O Papa curado, ao invés de voltar à Roma fugiu para a corte de Carlos Magno, onde foi recebido com honras apesar de todas as maliciosas acusações que o Rei havia escutado contra sua pessoa.

No ano seguinte, Carlos Magno foi a Roma para o julgamento do Papa, o qual foi colocado cara-a-cara com seus acusadores que nada conseguiram provar. Os bispos reunidos declararam que não tinham direito de julgar o papa; mas Leão, por sua própria vontade, com o objetivo, como disse, de dissipar qualquer suspeita na mente daqueles homens, declarou, baixo juramento que era totalmente inocente das acusações que haviam apresentado contra ele. A petição sua, a pena de morte emitida contra seus principais inimigos foi revogada e substituída por uma sentença de exílio.

O Papa - que não era nada bobo e sim um grande Mago - vendo que ainda não havia conquistado a confiança plena do Rei, e que necessitava de um forte aliado para executar seu planos e ser seu fiel protetor, já que possuía muitos inimigos. Alguns dias depois, na noite de Natal, após a leitura do evangelho aproximou-se de Carlos Magno e colocou-lhe sobre a cabeça uma coroa.

Por este ato ressurgiu o Império do Ocidente, e pelo menos em teoria, a igreja declarou que o mundo estava sujeito a um só poder temporal, como Cristo o havia feito sujeito a somente um poder espiritual. Entendeu-se que a primeira obrigação do novo imperador era ser o protetor da igreja romana e do Cristianismo contra os pagãos.

 

Á partir daí o Papa passou a tomar todas as decisões políticas junto ao novo Imperador - o qual tratava de ajudar para que aumentasse o seu poder na terra. Carlos Magno retribuía sempre com grandes tesouros.

 

Foi para Carlos Magno que o Papa leão III organizou este  Grimório, para garantir o seu poder temporal na Terra sob todos os homens, todas as mulheres e todas as riquezas! Este poder deveria estar nas mãos de seu protegido, pois ele como Papa deveria manter as aparências. no entanto, enquanto o Carlos Magno dominava à tudo e à todos, não passava de uma marionete nas mãos Papa!

 

Saiba o que continha o Livro que o Papa Leão deu de presente ao Imperador Carlos Magno... Clique Aqui.

  

Esta página ainda está em construção, volte em breve para ler outros trechos de Grimórios.

Para ver todos os grimórios disponíveis clique abaixo: