SCARAB

 Por Francisco Marengo

 

 

Scarab ou Escaravelho - símbolo egípcio da verdade e da eterna sabedoria, revitalizante das visões e forças mágickas. Representa também coragem e a proteção do Sol pela emanação da força vital.

 

"Não cometi iniqüidade, Não enganei na medição, Não agi de modo enganador, .Não me expressei com falsidade, Não abri a boca para falar mal de outro homem Não fingi ser surdo às palavras certas e verdadeiras ...Não falei mais do que o necessário" (Confissão negativa dos papiros de Nu)

 

                Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei

                Como se sabe o Karma como Lei de Compensação é infalível. Entretanto as pessoas associam a palavra Karma com o pecado ou castigo, e partem rapidamente em busca de uma redenção ou de um perdão divino.

                Mas saibam que não existe alguém ou algo para lhe perdoar senão você mesmo. A vida física é uma escola, e durante esse aprendizado somos passíveis de erros e atitudes que interfiram decisivamente de forma negativa na órbita das pessoas.

                Então o que poderia existir é uma auto-redenção, que se origina a partir do entendimento desse erro, e aí surge a compensação. Só que a maioria profana desconhece é que essa compensação virá tenha ela consciência ou não do erro cometido.

                Se houver essa consciência, automaticamente ela compreenderá sua sina, entenderá sua vida, e trabalhará sempre da melhor forma para redimir o erro, que nem sempre este ato precisa estar necessariamente associado diretamente com as pessoas envolvidas.

                Existem "n" formas de trabalhar essa compensação, mas não sou eu aqui que vai dizer o que fazer, pois detesto julgar os outros, principalmente porque ninguém aqui é perfeito. Tem um ditado que diz: "Conheça o passado de alguém, que poderá entender o presente e eventualmente prever o futuro." As pessoas têm o hábito de incidir muitas vezes no mesmo erro, mas de formas diferentes.

                Então a única coisa que poderia mudar isso seria a compreensão e o entendimento de sua própria vida e com isto poder administrar melhor a dor da perda. Você só se torna acessível a quaisquer tipos de ataques astrais, se você estiver com um desequilíbrio energético em seu campo áurico. Óbvio, que esse desequilíbrio é oriundo dos próprios reveses diários. Por isso mesmo, a preocupação de estabelecermos nosso equilíbrio interior, que de certa forma trará reflexos benéficos em nossa vida.

                Acredito sinceramente, que a maioria dos casos ditos como possessão se trata unicamente de brechas criadas pelo desequilíbrio do sistema nervoso. Assim a pessoa por essa emanação de luz astral danificada cria inconscientemente o demônio, bem como, toda sua esfera demoníaca, como reflexo das crenças católicas. Esse desequilíbrio é sempre motivado por excessos obviamente, como depressões, ódio, inveja, etc. Eu chamaria isso de doenças da alma que se crê vítima de todo tipo de influências demoníacas.

                O que o ser humano quer para si? Obviamente seria a felicidade, mas quando ambiciona de forma egoísta essa felicidade ou quando a sua maneira vê-la seja uma forma difícil de atingir, ele vicia sua atmosfera astral, pois se torna acessível a toda sorte de pensamentos insidiosos oriundos do meio em que vive, além de outras influências externas que tomaram forma, formas-pensamento criadas em todos os conflitos e fatalidades que a humanidade atravessa ou atravessou.

                É claro que existem as exceções à regra, mas não no que tange ao fato da pessoa abrir brechas em seu campo áurico, essas exceções são estudadas em Thélema como manifestações de origem Qliphóticas que normalmente tornam o campo áurico do um habitat favorável para toda sorte de Larvas e Cascões Astrais. Este é um assunto que mais menciono em meus ensaios. Mas, vejamos o que Crowley disse a respeito: "Um homem que faz sua Verdadeira Vontade tem a inércia do Universo para ajudá-lo." Na mente, "a alma, é ela o Atman, Yechidah, Ser Silente, o SAG", entretanto, para se compreender a Verdadeira Vontade seria de vital importância compreender a natureza humana, a começar de sua psique.

                Veja, se vasculharmos o campo astral que envolve nossa mente, percebemos que ali está presente o campo das sensações de forma muito intensa, ou seja, amor, simpatia, raiva, amizade, entretanto, na calada da noite, quando estamos dispersos em sonhos e pesadelos, também nos defrontamos com criaturas hostis. Entretanto, tais entes também residem em nossa psique, em nossa esfera astral, ou em nossa alma. Ali nesses campos desconhecidos de nossa mente estão os obscuros lados dos véus negativos e ocultos de todo ser.

                Assim poderia lhe dizer que em nossa essência residem, os deuses, os anjos e os demônios, que se apresentam fragmentando a nossa tela espiritual de diversas formas, aliadas as características de forma que lhes emprestamos, mas que estes por sua vez existem com muita propriedade, e se o fraco magista, ainda desprovido de vontade férrea, resolve interagir com estes entes, dependendo do grau em que se verificar esta interação ele corre o sério risco de ser aprisionado ou obsediado, pois ainda não derrotou os padrões preconcebidos pela sociedade que nos ajudaram na formação do nosso ego.

                Assim quando o ser humano está em luta com sua essência, este não pode ser considerado como um "ser" dono de sua "Vontade", e que portanto se distancia de fato de seu papel num determinado plano material de existência. A essência do indivíduo constitui-se por fatores absolutamente naturais a todo ser vivo, mas se esta essência não é compreendida, o indivíduo afasta-se do seu caminho pois não compreende a si mesmo. Por isso mesmo jamais deveríamos impor a quem quer que seja o caminho a ser seguido, uma imposição que leve a influenciar a alguém é considerado pelos thelemitas como um ato de magia negra, que entra em conflito com as Leis Universais.

                Devemos sim, até por uma obrigação maior, tentar abrir a mente do indivíduo, para que ele encontre a sua Verdade e a sua Verdadeira Vontade, sua e de mais ninguém. Só que esta Verdadeira Vontade não pode ser entendida, ela precisa ser vivenciada, pois ela está alinhada diretamente com a razão de sua existência, o seu Dharma existencial, ou razão de viver. Vê aí a complexidade do assunto. Mas qual seria o caminho para encontrarmos essa nossa Verdadeira Vontade?

                Simples, é o caminho que devemos empreender para unificar a nossa essência no mais pleno e saudável equilíbrio, não importando o fato de ser Iniciado nos mistérios ou não. Este é o caminho da Iniciação Natural, caminho este que nos leva a uma fantástica viagem rumo aos total conhecimento de sua verdadeira essência e de sua alma, onde somos levados a nos defrontar consigo mesmo, e compreendermos a melhor maneira de lidar com nosso interior, esteja ele repletos de deuses ou demônios.

                Por isso mesmo, na O.C.D. o aspirante é levado a compreensão profunda do significado disto, pelo menos um ano antes de realizar a sua primeira Iniciação, este processo é também chamado de Bodas Místicas. Aí talvez fique mais fácil a compreensão de quando eu digo, que devemos aprender a transformar ou transmutar o nosso Conhecimento adquirido em Sabedoria, pois quem age com Sabedoria, permeia a sua vida com atitudes impecáveis, que contrabalançam nossas imperfeições. Não é à toa a inscrição no oráculo de Delfos: "Conhece a ti mesmo."

            Um ponto da vista pode ser tão elementar quanto uma especulação ocasional ou tão intricado quanto uma Fraternidade Esotérica. Mas dissuadir as mentes a aceitar qualquer dogma talvez seja um dos meus principais objetivos, e isto se atenua quando sugerimos que duas pessoas podem realmente escrever tópicos imensamente diferentes sobre um mesmo assunto, pintando um quadro de situação completamente diferente um do outro.

            Assim nossas descobertas não são e nem poderiam ser idênticas, pois cada um avaliará de forma diversa o que a vida lhe apresenta como método de aprendizado ou como eu costumo chamar de ordálias de conhecimento. As diversas introspecções místicas ou mágickas engendram os muitos planos de existência. Penso que a teoria deve somente incentivar a pesquisa e a introspecção inovadoras sempre em busca de adicionar algo mais novo, mais emocionante no fantástico mundo da pesquisa iniciática. Uma introspecção ou conceito podem eventualmente conduzir à equação de um ou mais pontos de vista. Muitas vezes ao revelar uma introspecção o resultado na maioria das vezes é de surpresa e às vezes confusão. Mas meu ponto de vista pessoal vem da fidelidade a meus juramentos, a minhas aspirações e a minha vontade inflamada de realizar plenamente a Grande Obra.

                Nosso método não há emaranhados pois utilizamos a ciência para realização de nosso trabalho na Grande Obra. Em nosso caminho o espaço é livre para novas descobertas e expectativas científicas, e todas as novas idéias são e sempre serão analisadas por nós com calma. Não há manobras do pensamento que deve ser livre para voar na imensidão do Cosmos. Este é o verdadeiro conceito que precisa ser concebido por nós, neste novo tempo original e fantástico que nós chamamos o Æeon de Hórus. Nós não nos contentamos com a ponta do iceberg, nem com o dedo que aponta para o céu. Nossa concepção deve ser completa e nossa busca infinita.

            Amor é a lei, amor sob vontade