O Peso da Alma
por Francisco Marengo

 

 

Se os aspirantes à Iniciação deixam-se ser dominados, ao invés de dominar, num certo sentido eles serão devorados e digeridos pelos demônios - que são o seu próprio reflexo ou sua sombra no plano astral.


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei

        A dor alimenta o espírito intrépido. Perseverar é a palavra deste ensaio. Ao homem de propósito nada pode ante sua força de vontade. Arriscar sua própria vida na direção de seus propósitos é ser aquilo que se sonha, luta, reflete, percebe. Mas seus objetivos devem ser orientados; certo, essas ações lhe trarão desafios, mas o que é a vida sem um embate? Qual o sabor da vitória sem a luta? Eis a resposta: sinta-se bem consigo mesmo e expanda esse sentimento a quem te cerca e seja fiel a ti mesmo. Torna teus atos a declaração dos teus propósitos. Para que supervalorizar o que você não é? Porque não valorizar aquilo que você realmente é? 
        

        O autoconhecimento nada mais é do que um conhecimento intelectual da Verdade, e esta não é suficiente para produzir resultados, salvo a condição de tentares impressionar tua mente elevando ao máximo seu potencial através de suas operações. O passado representa simples reflexos, a elevação de idéias superiores imantará a tua atividade criadora, já que o peso deixa de existir nas grandes alturas do espaço. Um pensamento mal dirigido torna a alma doentia e desanimada, pois a vida transforma-se em fardo. Só o Logos Chrestos desperta o ser para o combate, e alivia sua carga. O Logos Chrestos está em Tiphareth, no contato como "Eu Superior".
        

        Fluidez de pensamentos despe o intelecto de conceitos repletos de incertezas e de medos. Diversos sistemas de autodesenvolvimento, ditos mágicos, dão ênfase ao treinamento mental pela disciplina, buscando formas de atingir os estados alterados de consciência pela projeção astral. É óbvio mencionar que os resultados jamais vêm de forma imediata - só após um determinado período de prática, quando os resultados tornam-se possíveis (sendo notória a satisfação do "magista" ao apreciar os resultados satisfatórios de seu esforço). 
        

        Por outro lado, ao superar as barreiras iniciais de seu aprendizado thelêmico, o magista notará que os resultados advindos da prática de tais sistemas parecem tornar irrelevantes os conflitos com a vida diária. Por outro lado, para aqueles que não conseguem atingir seus objetivos eu teria a dizer que o problema não se resume em não possuírem disciplina mental, mas sim a que a maioria das pessoas não têm o compromisso suficiente com o campo prático do sistema e que, portanto, na verdade não desejam se desenvolver.
        

        Já a Magia(k) fornece uma aproximação mais acessível combinando resultados imediatos com um sistema de treinamento mental. Este estado de ser mais acessível dá ao indivíduo uma possibilidade tornar-se Mestre de si mesmo. Assim este é um método de treinamento físico-mental, o qual auxilia essa integração do "self" (eu interior) consigo mesmo. Suas ações, nos estados psíquicos alterados, são prontamente arquivadas mentalmente e se tornam familiares a você. Tais estados, lembretes contínuos de nosso cotidiano, ocorrem naturalmente em um grande número de vezes a todos nós. Mesmo se tais estados são difíceis de induzir ou controlar, pela disciplina mágicka eles ocorrerão. O ponto importante então é que qualquer um pode experimentar e vivenciar profundamente tais estados alterados da consciência, sem que tenha de ser um grande adepto, e as energias liberadas podem dirigir com muita profundidade e legitimidade cada área de sua vida tornando-a mais intensa e melhor de ser vivida. 
        

        Entretanto, existe aí um alerta. A todo e qualquer movimento Iniciático o Adepto se deparará com o que é usualmente chamado de "Loja Negra" ou "Irmandade Negra": esta de fato não é realmente uma organização de seres humanos, é meramente a Qliphot com as suas interações e atividades. A Qliphot é uma falsa Sephiroth: são projeções ou reflexões das Esferas da Árvore da Vida, normalmente chamadas de Plano Astral. Ali residem entidades que poderíamos chamar de demoníacas. Iniciados entenderão que o que nós chamamos de espécie humana, não é exatamente o que profano considera como tal. A Estrela, por exemplo, é humana, seja homem ou mulher. A Árvore da Vida é um Homem, considerada como uma entidade espiritual. O Adepto, filho do Sol, é Tipharet, uma Estrela. Entretanto você é a espécie humana que pertence a Tipharet e à Humanidade; humanos e Tiphareth se pertencem. Parte de nosso trabalho é a criação da Criança Mágicka que nascerá em Tiphareth - e que, entretanto, será humana. E o Homem Solar, o Filho do Sol, da Inteligência Solar, manifesta-se abaixo do Abismo: Unidade – 111 – multiplicado por 6, o número de Tipharet, o qual resulta em 666. 

        Para que se entenda a natureza dos demônios será preciso antes conquistar essa natureza em nós mesmos, e no nosso primeiro passo promissor, nosso próprio desejo se torna egóico pois envolve o fato de que aspiramos a nos tornar Adeptos, os Filhos do Sol (ou Reis). O processo evolutivo então, demanda uma contínua interação com todas as formas de vida. Através da atribuição assim produzida, eles improvisam uns com os outros e expandem suas experiências na união de resultados vindos de seus conflitos. Em um sentido amplo poderíamos dizer que os conflitos interiores visam à emancipação do homem, sendo, portanto uma forma de manifestação do Amor Universal. No Tarot essa percepção é expressa através do Arcano da Torre. Entretanto este auto-conhecimento (ou auto-suficiência) gera uma forma de aversão, ou seja, de repulsão iminente que é externada a nós mesmos. Num sentido, a ferocidade do animal selvagem; noutro, nas reações violentas dos seres humanos, que são rotuladas de meras expressões da chamada auto-preservação. Tão incrível quanto possa ser, são meras reflexões do plano emocional, no qual prevalece a Consciência da Identidade Espiritual, chamada pelos Thelemitas de HADIT. Ferocidade, ódio, egoísmo, crueldade, perversidade, malignidade, são meras projeções, de certos sub-planos do astral, dos instintos que foram desenvolvidos por cada um dos seres e por todas as formas de vida nos seus esforços para assegurar a sobrevivência de suas espécies. Assim, nesses sub-planos astrais, essas qualidades tomam forma e manifestam-se como demônios. É comum discutir-se por aqui (neste plano) a real ou relativa existência dessas entidades e o mesmo enfoque poderia ser aplicado a nós mesmos. Neste instante, no plano material, nós estamos normalmente certos de nossa existência individual a de nossos interesses pessoais; entretanto, até o primeiro passo, a Iniciação nos mostra que esse autoconhecimento que nós consideramos simples e sólido, é mais uma reflexão de um plano mais elementar, do qual parecemos ter sido originados.
        

        Entretanto, para aqueles que se perdem em dúvidas sobre se existem ou não tais entidades demoníacas, eu poderia afirmar que num certo plano elas definitivamente existem, e são muito entrelaçadas com a nossa estrutura existencial, tal como egos.
       

        Os quatro príncipes demoníacos, descritos por Abraham, o judeu, no livro, "A Sagrada Magia de Abramelin, o Mago", existem, não só nas Qliphot, mas em nós mesmos, e fazem parte das forças que compõem a estrutura mental de nossos cérebros. Seria extremamente difícil definir quais faculdades especiais eles estimulam em nós, pois isto dependerá do plano em que pudermos considerar tais influências. Vamos apenas explicar como e quando eles agem ou interferem em nosso progresso iniciático. Se nós destruímos sua interferência em nós (e isto definitivamente pode ser feito), sua manifestação não poderá nos purificar e sim nos mutilará e nos deformará, pois assim fazendo negamos também em nós várias formas de desenvolvimento real de "Poderes Mágickos", consequentemente impedindo o próximo passo rumo à Verdade, pois eles são partes desse próximo passo. Não entendam por "Poderes Mágickos" essa concepção de alguns patéticos (ou charlatões) por aí, que acreditam que tais poderes são para entortar garfos ou acender luzinhas; enquanto tais idiotas ficam pensando dessa forma, nós agimos magickamente na mente, no corpo e no espírito, compreendendo portanto que Magia(k) é um poder real e transformador (ou destruidor) da vida e da morte. 
        

        Supondo, então, que esses Quatro Príncipes Demoníacos representem o Ódio em nós, o ato de moldar esse ódio ou transmutá-lo em sua fonte é fundamental, impedindo que eles (os demônios) sejam capazes de produzir efeitos devastadores em nossos egos; esse seria o primeiro passo para a conquista de si mesmo. Este é exatamente o erro dentro do qual os Irmãos Negros incorrem, ao tentar simplesmente isolar esse sentimento dentro de si. Diz um ditado que "quando o gato está fora, o rato tem o seu dia". A disciplina imposta na Iniciação impõe uma reeducação em nossos instintos e apetites, reeducação esta que os demônios evitam que caia sobre eles.
        

        Por favor notem aqui que quando nos dizemos que "demônios tentam evitar a disciplina que impomos aos instintos", nós somos limitados pelas deficiências de linguagem. Do ponto de vista iniciático, "impurezas" são simplesmente elementos no contexto errado. É parte do psicossoma do tigre que ele seja feroz. Quando um domador de tigres subjuga essa ferocidade para um "show" de circo, ele não considera que o demônio da fera tenta constantemente se rebelar contra o controle de uma vontade mais envolvente que a sua própria. O domador compreende que este não é um passo correto no progresso evolutivo daquela forma de vida a qual na qual é forçada a ir contra a sua magnífica natureza, sendo ainda estupidamente aplaudida pelos olhares das pessoas que não compreendem o mal que estão causando a fera, provocando ou descaracterizando a sua essência de vida. 
        

        Tal situação difere nos animais ditos como domésticos. Lembrem-se que os animais não possuem uma unidade divina e consciente vivendo neles, pois fazem parte de uma alma grupal, entretanto os animais domésticos quando bem tratados aproximam-se da natureza humana tornando-se uma exceção à regra, passando a integrar uma estirpe espiritual muitíssimo elevada. Nós domesticamos o cão a ponto de alterar sua evolução natural e o futuro mostrará uma interação incomum entre esta espécie e a nossa.
        

        Os demônios, entretanto, só se rebelam contra nós quando nossas aspirações a planos mais elevados de consciência procuram se dar de forma mais acelerada do que o processo natural evolutivo. Isso ocorre como uma maneira de proteger a integridade do psicossoma dos homens das cavernas, de forma que a consciência deve ser conduzida a planos elevados através Iniciação, distanciando-nos daqueles que ainda em nosso tempo estejam sob a égide das funções da psique de um troglodita. Todos nós sabemos que somos capazes, através de nossos impulsos ancestrais, de atos insondavelmente perversos. Tais pensamentos e impulsos provêm de fato daquelas forças, das quais temos de proteger nossas vidas; tais impulsos, então, não foram ainda devidamente transmutados. Portanto, quando falamos como os ufólogos, que vivem a articular ou buscar sinais de outras formas de vida - sejam elas extraterrenas ou intraterrenas -, devemos nos lembrar de que nossos padrões talvez não tenham sido totalmente transmutados para que se possa contatar outras formas de vida com a necessária proficiência; rumando assim, despreparados, a tipos de expressão mais elevados, como aqueles seres aos quais pregadores sentimentais e filósofos costumam se referir, o que pode-se esperar em tal condição? Tais contatos só poderão ser "imediatos" unicamente com formas de vida que já possuam uma tecnologia mais avançada que a nossa, mas que não tenham uma linha de pensamento muito diferente da nossa, por uma questão de harmonização. Assim, isso sugere que, num primeiro momento, deveremos desconfiar de suas eventuais "boas intenções". Caso não acreditem no que eu digo, procurem se inteirar sobre relatos de alguns (terríveis) casos de abdução alienígena.
        

        Um outro aspecto a ser considerado nesse contexto é o dogmatismo religioso. Os dogmatismos religiosos são hipocrisia do começo ao fim. Essa forma de imposição religiosa tal como foi feita pela Inquisição no passado e tal como pretende se manter hoje, através da intolerância do sectarismo, na verdade é uma fórmula para as seitas tentarem (desesperadamente) manter seus impérios econômicos e financeiros, alicerçados sobre pessoas vazias, que são subitamente envolvidas pelo fascínio exercido por suas palavras. Os líderes dessas seitas pregam e agem de forma precisamente oposta à preconizada pela Teoria dos Iniciados concernente ao Mundo dos Demônios: Nós mantemos a opinião que é nosso dever - e dever da Humanidade - subjugar os demônios, não ser subjugados por eles. A fórmula da "Dominação" é revelada no Ritual do Centro do Poder no IV.º grau da S.O.T.O., e no fantástico "Ritual dos Sete" do III.º grau da Ormiun, àqueles que já pertençam ao nosso Círculo Interno. 


        Assim as forças que em certos planos de consciência manifestam-se como "entidades demoníacas" são parte do processo evolutivo do Universo. Desde que um dos nossos próximos passos na evolução mental ruma para o fluxo da Encruzilhada da Criação, até matéria e espírito se tornarem unos como um organismo vivo, é fundamental que nós aprendamos a coordenar tais forças que são parte do nosso psicossoma. Por essa razão nós temos estabelecido que os demônios não são nem bons e nem maus - eles simplesmente "são" -, e que deles obter proveitos ou danos depende inteiramente do nosso auto-controle. Isso acontece porque eles estão muito entrelaçados em nosso processo existencial. Exemplifico tal ponto mencionando um interessante fato muito comum em nossas Iniciações. Em nossa última Iniciação, um de nossos Irmãos solicitou ajuda para sua irmã, cujo quadro patogênico indicava claramente que ela estaria sendo vítima de um ataque astral. 
        

        Realizamos com eficiência um Ritual Goético através do qual além de purificarmos a aura dessa Irmã, que não estava presente (aliás estava a centenas de quilômetros e sentiu tudo como se estivesse presente, coisa que pudemos constatar posteriormente), também pudemos compreender com clareza absoluta como o trabalho de enfeitiçamento foi realizado e finalmente pudemos ainda assimilar em nossa Egrégora a criatura com total eficiência.   A proposta desse exemplo é explicar uma maneira inteligível de avaliar a Iniciação e as atividades desses demônios que precisam ser dominados, quando necessário, sem que nunca sejamos dominados por eles!
        

        Os Quatro Elementos Fogo, Água, Ar e Terra (ou Tejas, Apas, Vayu e Prithvi) correspondem magicamente aos Quatro Signos Querúbicos do Zodíaco, Leo, Scorpius, Aquarius e Taurus; para os quatro Poderes da Esfinge, Querer, Saber, Ousar e Calar; para os quatro Querubins que servem ao Logos e aos quatro Grandes Príncipes do Mundo Demoníaco, os quais estão obrigados a servirem os adeptos. Assim quando, por essa razão, qualquer um que aspire verdadeiramente ao Caminho da Sabedoria será duramente testado: as forças Infernais são ativadas para esses testes, no percurso do Caminho. Se esta Aspiração é realmente pura, isto é, integrada com todos os planos dos quais tem consciência e vontade, nenhum problema advirá disso, convém salientar que o ato de Aspiração, é irrevogável. Não há retorno e nem meio termo para aqueles que se decidem pela Senda Oculta e pela Iniciação. Entretanto, quando o Aspirante não é puro em sua essência, o Mestre cuidará de ativar as energias nos seus dois planos - físico e espiritual - fazendo com que essa dinamização elimine de uma vez as impurezas energéticas de sua psique. Caso esse Aspirante não trabalhe zelosamente pela sua Assunção como Luz, subitamente desistirá ou se desviará do caminho, caindo nas garras da Irmandade Negra. Verdadeiros Candidatos necessitariam manter sempre suas mentes em dois fatos aparentemente opostos: primeiro, que eles estão sob o ataque de forças demoníacas desde o primeiro momento que aspiram à Iniciação; segundo, que estas forças devem ser conquistadas e colocadas a serviço da Verdadeira Vontade. 
        

        Se os aspirantes deixam-se ser dominados, ao invés de dominar, num certo sentido eles serão devorados e digeridos pelos demônios que são o seu próprio reflexo ou sua sombra no plano astral (vide o fabuloso romance ocultista de Zanoni). Eles, nesse caso se tornarão meros instrumentos do mundo das Qliphot ou dos demônios na Terra e, em conseqüência, nunca se tornarão Iniciados equilibrados – nem sequer poderão ser chamados de Adeptos, pois tomados pelo ego tornam-se vítimas da Grande Feitiçaria. Ou seja tornam-se membros da Irmandade Negra, os quais são estagnados em relação à Onda Evolutiva da Humanidade. 
        

        Segundo Mestre Therion: "A proposta do discípulo é obter o domínio de seu Eu interior, e por esta razão ele não deve se submeter à vontade de sua natureza inferior, mas seguir a de sua natureza mais elevada, que ainda não conhece, mas que deseja encontrar. Na obediência à vontade do Mestre - ao invés de seguir aquela que acredita ser a sua própria, mas que é unicamente a sua natureza inferior -, ele obedece à vontade de sua natureza mais elevada, com a qual seu Mestre está associado para a proposta de ajudar o discípulo a conquistar a si mesmo."

        Amor é a lei, amor sob vontade