PARAÍSO INFERNAL
© Francisco Marengo
----------------------------------------------------------------------



Creio que os grupos religiosos extremistas que insistem em matar em nome de Alá, já passaram dos limites. Funcionários da ONU mortos em atentados, dentre os quais destaco um grande homem, o diplomata brasileiro Sergio Vieira de Mello, uma pessoa de caráter pacificador e conciliador, sempre preocupado com o social. 
Mais e mais atentados terroristas estão assolando o mundo. A maioria das religiões vive um clima de desilusão geral ante o desequilíbrio da humanidade. Os extremistas religiosos em nome de Alá, infelizmente vivem num eterno conflito ante sua retórica religiosa e política mal dirigida pois vomitam de forma latente seus diálogos religioso doentios, talvez como uma resposta kármica as cruzadas cristãs da idade média.
Políticas religiosas desperdiçam energia e se perdem em atos de selvageria tentando trazer para nós sistemas religiosos e políticos que espalham pobreza e racismo. Só vemos antigos e ridículos códigos tribais, mulheres escravizadas, falsos profetas. É impressionante como a mente humana consegue ser tão suscetível e fraca. Parece que a escravidão mental num sentido religioso deveria conter o caos, mas ao contrário disto, as ovelhas são instigadas pelo seu pastor a cometerem atrocidades em nome de suas crenças. 
Não vamos só jogar pedras nos muçulmanos. Judeus e cristãos fingem obedecer os seus Dez Mandamentos, doando fortunas para causas desenganadas, espalhando ainda mais o dogmatismo doentio. Criaram um pecado original e um inferno imaginário. Acusam a todos mas não tem 
realmente estômago para olharem a si mesmos no espelho e mesmo assim se consideram orgulhosos e pessoas de nobreza de caráter.
Um dogma religioso inteligente, se é que isto exista, deveria guiar bem seus seguidores e não hipnotizar ou fazer lavagem cerebral sob pena da intolerância religiosa. Já havia dito que o assim chamado "estado de elevação espiritual" só poderá ser atingido através de uma iniciação racial verdadeira e principalmente através da evolução espiritual, o contrário disto é a mais pura perda de tempo. Acho repugnante que para uma religião se manter precise esmolar migalhas de seus seguidores como se isso fosse sinônimo de pureza espiritual ou em outras vezes cobrar grandes somas em dinheiro, de forma descabida em nome de uma fé religiosa. 
Creio que ao olhar o mundo e as religiões seja fácil notar que alguma coisa está terrivelmente errada. O radicalismo religioso continua a matar na Europa, no Oriente Médio, na Ásia e na África. Por que as pessoas então, não perguntam ao seu credo religioso para ver por que 
tais conflitos estão ocorrendo? 
Eu não ofereço ao mundo uma resposta. Eu apenas ofereço uma análise que leve as pessoas a pensarem sinceramente. A maneira que encontro para fazer tal ato é através da escrita. Assim eu pergunto: Quantos mortes deverão ainda ocorrer para que se identifique a verdadeira vontade do indivíduo, hoje sufocado em religiões cuja aura de manifestação traz sempre em seu bojo a carta ou Arcano da Morte ao invés da carta ou Arcano do "Magus"?
Todo esses sistemas de crenças religiosas ditas como "tradicionais" tem falhado em seu propósito levando a criação de correntes ou seitas demoníacas, verdadeiramente falando, além de trazerem correntes mágicas obsoletas, pois já não transmitem o fluxo de ágape por seus oficiantes.
Neste aspecto poderia dizer que a Lei de Thelema oferece além da liberdade, uma corrente espiritual vigorosa como a vida inserida em nós mesmos e uma atitude que não ignora ou desrespeita a natureza espiritual da mulher. Nós somos preenchidos pela força e energia de 
um Deus Guerreiro. Sexualmente falando, nossos relacionamentos são verdadeiramente sagrados e nossa companheira ou esposa é nossa Sacerdotisa. Nós nos despimos da vergonha decadente do pecado 
original, experimentamos a força da juventude eterna, não importando a idade física que tenhamos, onde buscamos beber da fonte inserida no aspecto mais primitivo de nossas almas. 
Essas correntes religiosas do velho Æon continuam com a desilusão de que estão vivas. Sua forma conservadora de enxergar a civilização os têm confundidos e o reflexo disto é se tornarem uma forma doente de estagnação. Estão neles ausentes a maneira de tocar as almas, a verdadeira vontade e a manifestação espiritual verdadeira que foi originalmente pretendida pelo seus criadores. Observem que só as correntes espirituais ou mágickas que começaram com a pureza de sentimentos e de elevação espiritual tem conseguido se manter verdadeiramente vivas no coração do homem.
A cada 2000 anos aproximadamente um novo Deus ou Deusa senta sobre o trono do Deus- Sol. Asar deixou o seu Trono para que o Deus-Guerreiro tomasse o assento do Deus - Sol no oriente no Equinócio dos Deuses. A igreja pensou no passado que colocando nossas amadas Sacerdotisas 
na roda da tortura poderiam encontrar respostas aquilo que já não podiam decifrar ou então usaram isto como uma forma de impor uma religião através do medo. Desde quando queimar e torturar alguém com ferro em brasa traria o perdão divino? 
Em detrimento disso nós temos nos erguido cada vez mais, nos recusamos morrer e nos recusamos a aceitar uma condição de subserviência a quem quer que seja.
Nós de Thelema não só unicamente contestamos a forma religiosa do mundo, como oferecemos soluções que serão práticas para a vontade individual, tal como uma estrela que ruma ao universo infinito. Com a Lei de Thelema, Magick volta como uma força do mundo, os Deuses voltam andar entre os homens e as mais altas aspirações espirituais serão compreendidas e alcançadas. Através de nossos trabalhos, pela força de Magick, compreendemos que tais forças não são simplesmente uma lenda. Não enxergamos erro algum num relacionamento social voltado para a melhoria das condições de existência humana. Não há nada de errado nas coisas boas da vida, tais como, boa comida, bom 
vinho e outros prazeres. As forças da natureza começam a fluir, a excitação começa despertar, 
o prazer começa surgir, o banquete de luz e esperança já é servido. Uma vez mais, depois tantos séculos, há um novo despertar, somos poucos, mas seremos muitos em breve. Não há pressa para sorver toda abundância que esse banquete de luz nos oferece, sem dúvida uma 
existência livre, alegre e comprometida apenas com a sua verdade, a sua verdade e de nenhum outro. 
Em Luz, Vida, Amor e Liberdade;

Amor é a lei, amor sob vontade.