Manter o Foco
 por Francisco Marengo

Eu poderia dizer que sou um entusiasta no que se refere aos estudos e ao trabalho, seja ele físico ou espiritual. 
       

        São inúmeras perguntas sempre iguais, geralmente feitas por jovens: "Como eu faço para ser - mago, bruxo, bruxa, seguir uma trilha espiritual, etc.?"A resposta é sempre uma só; seja qual for a linha filosófica de desenvolvimento escolhida - Disciplina e Dedicação. Não existe receita de bolo, como não existem pó mágico que transforma alguém em bruxo do dia para noite. Sejam bruxos, bruxas ou magos, o princípio é buscar conhecimento, não só de magia, mas de todas as ciências disponíveis. O mago é antes de tudo um sábio em todos os sentidos, um intérprete que conhece a fundo as mais diversas matérias, tais como, matemática, física, química, história, geografia, e idiomas diversos. E lembrem-se "Mens sana in corpore Sano" - Mente sadia num corpo sadio! 
       
        Os novos aspirantes arrancam seus cabelos na espera que o instrutor lhes proponha um plano de  ação; sendo que ainda estes não desenvolveram convenientemente a concentração e a paciência  apropriada ao neófito. 
       
        Therion nos diz que "fortifiquemos o justo" e "eliminemos o inadequado", apenas observo que é bastante desagradável a necessidade de expulsar alguém ocasionalmente; mas sem observarmos algum tipo de código de ética e de conduta para assegurar nossa posição, o trabalho espiritual se torna difícil. É algo absolutamente honesto de nossa parte garantir que a ação feita em exame do aspirante, sem que possamos nos permitir qualquer ação que envolva o domínio do ego. 
       
        Além disso, o procedimento no corpo da S.O.T.O., que é uma Ordem no plano do manifesto, é completamente diferente da atitude que você tem com uma Ordem Espiritual como o A.'.A.'.  A Astrum Argentum é um ordem espiritual que não existe no plano físico; não existe nada além de você estar tratando das complexidades de um juramento mágico; e as regras que são invocadas no plano manifesto da A.'.A.'. podem ser lidas no ensaio "UMA ESTRELA À VISTA".  Somente a experiência pode dar-lhe a introspecção verdadeira em como se portar em determinadas situações; e você pode fazer um exame real de suas possibilidades.  É infinitamente mais honesto ser consistente, diligente e prestativo em suas instruções. 
       
        A conduta na caminhada mística é um assunto bastante importante para um ensaio. Olhar para trás e verificar os muitos anos de registros mágicos que possuo; me fazem perceber que as mais fantásticas experiências não foram vividas em estado meditativo, como alguns poderiam supor automaticamente; mas no dia a dia, no trabalho, nas práticas esportivas onde eu tento ficar em vigília para equilibrar meu ser, entremeios aos revezes diários, assumo caminhada mística, tendo o cotidiano como fórmula sagrada de atingir as  minhas necessidades espirituais.

        Este fato poderia espantar o noviço, entretanto eu diria que tal atitude cerimonial no dia a dia, fará com que este atinja de maneira mais completa a adentrada nos portais sagrados da  R+C da A.'.A.'., fazendo com que os planos internos e toda a simbologia utilizada seja mais facilmente dirigida a abertura das faculdades extra-sensoriais internas. Além; quando eu entrei no deserto era um deserto físico em Novo México mas deste eu escrevo na tinta invisível em um lugar onde não se pode encontrar nesta vida.

        Diversas vezes; no passado, eu encontrei a energia mágica e os sinais mágicos para assistir estudantes, inteiramente com a finalidade de passar esta Antiga e Sagrada Arte que representa a caminhada mística. Alguns se aperceberam realmente sobre o ponto exposto acima; jamais se descuidando dia após dia, dentro e fora do trabalho, nos momentos de lazer,  para finalmente descobrirem um mundo ainda não desvelado,  antes que suas percepções mundanas se tornassem viciadas, tal e qual a maioria das pessoas que gastam  no máximo uns quinze minutos diários para tomar um café, ler um livro ou para apreciar a paisagem tomando ar fresco.

        Depois de se aperceberem que Magia e Ocultismo precisam ser vivenciados no dia a dia, só então eu pude indicar o trabalho mágico propriamente dito, e este de fato, sendo melhor aproveitado pelo o aspirante, que percebe que toda essa preparação prévia para trabalhos mais avançados faça valer a pena, tal como, seu peso em ouro. É neste momento que geralmente posso iniciar o aspirante com técnicas MÁGICAS SEM OS RISCOS mais comuns.
 
        Poucos esoteristas sabem disto, cito um exemplo: Vocês sabiam que a QABALAH, é o MELHOR TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEMÓRIA? 

        NA A.'.A.'. sugerimos realmente que se você faz  aritmética mental em suas caminhadas diárias; grandes seriam as possibilidades de ocorrerem  muitas introspecções e visões profundas,  sejam para solução de dilemas pessoais ou de outrem. A mente funciona como um gatilho cósmico que quando acionado, torna muito mais sublime o trabalho da senda espiritual.
 
        Desta maneira vamos chegando a inúmeras conclusões. O Amor colocado sob vontade numa visão mais thelêmica, é muito mais propagador de energias benéficas ao invés do amor desperdiçado. Sem a necessidade de deixar de amar o próximo, mas ao mesmo tempo, sem nunca dar a outra face ao inimigo; pois isto seria ridículo. Afinal ser um INICIADO na Senda Thelêmica representa interagir com as pessoas, com a natureza e com o Universo. Magos não são santos, nem tampouco perfeitos. Uma vez que vivam no orbe terrestre, seria ridículo serem ou tentar serem diferentes se você refletir um pouco, mas no entanto, terão em si inseridos o sentimento e a semente da evolução e do progresso.
       
        Não amam todos e tudo - respeitam. São observadores, pesquisadores e alguns até frios e calculistas, mas tentam agir com sabedoria em todos os momentos de suas vida. Amam fortemente e completamente quem merecer seu amor. Nunca  deixam de enfrentar o inimigo ou os problemas da vida, os enfrentam com todas as forças de suas almas.
        O amor é uma das maiores e mais intensas emoções que o ser humano pode sentir; a outra é o ódio, contudo o ódio é um sentimento destrutivo, que embota o espírito,  não leva e nem jamais levará ninguém a lugar algum, o modo que pensamos é diretamente afetado pelo grupo que freqüentamos, o ódio é um pensamento negativo, pensar como um negativista é baixar o nível vibratório mental. Agarre-se a idéia daqueles que pensam de maneira positivista e progrida com eles.
        Ser solidário, eis a palavra chave, se você vive assim impregna sua aura com emanações positivas, agir com humanidade, demonstra respeito à vida e as pessoas. Trate as pessoas como você gostaria de ser tratado. Desta forma você simplesmente aumenta seus sentimentos para aqueles que verdadeiramente merecem seu amor. Reprimir seu ódio demonstrará o seu auto domínio, sua capacidade de perdoar e ser perdoado. Isto é muito diferente da raiva. A raiva ao contrário do ódio é um sentimento construtivo, pois se você tem raiva de uma pessoa ou situação significa o seu desejo de mudança de uma situação ou ação por parte de determinada pessoa, e por outro lado, se pensarmos bem,  nós só mudamos algo em nossas vidas quando sentimos raiva de nós mesmos.
        A maioria das religiões proclama que devemos amar nossos inimigos, pois mesmo quando errados devemos ter o consolo de que "Deus punirá eles". Isto é uma inverdade afinal não existe ninguém para punir ninguém, e sim a autopunição e o auto-sofrimento cármico oriundo da impregnação energética negativa que nós mesmos criamos.  Qual maior tapa na cara de um inimigo ao ver que estamos de pé, firmes, fortes e rígidos, até mesmo indiferentes ante a sua presença. O caminho do Mago é o da serenidade absoluta. Os nossos maiores inimigos são nossos sentimentos inferiores e o ego inferior. Aprenda a dominá-los e serão Magos.  Vencer os obstáculos na vida significa viver com mente superior e atitudes mentais superiores.
        O ódio, a crueldade, e a brutalidade são verdadeiros retrocessos, acredite na evolução e no sentido do progresso e faça por onde progredir, se você busca o aperfeiçoamento em tudo o que faz, logo atingirá seus objetivos. Aquele que se conhece, e é capaz do amor verdadeiro, progride, torna-se bem sucedido e segue sempre a frente, rende-se aos seus sonhos
e os torna realidade ao invés de matá-los.
        Arranjem tempo para confrontarem-se consigo mesmo e extrair o máximo do seu pensamento e da força mágica que é a vida. O isolamento orientado compensa, use-o para liberar as forças criadoras e criativas da vida que residem em seus interiores e as soluções para os seus problemas surgirão como mágica. Conhece a ti mesmo! Afinal só há um Deus, um homem, uma Fraternidade, uma verdade. Essas são as pedras angulares, sobre as quais levantamos a nossa construção de nosso Templo interior. Deus é o espírito Infinito e Onipresente, sem forma, imutável, eterno e incompreensível, exceto para si mesmo. A única Fraternidade é a Humanidade, a soma total de todos os centros individualizados da atividade divina, que, embora aparentemente separados, são um na vida e essência. A Verdade é a realização completa e consciente de Deus dentro das manifestações individualizadas e a iluminação que cada uma delas se apresenta. Deus compreende toda verdade; e o homem, como Deus individualizado pode compreender toda verdade por meio de Deus que nele reside.

        Como eterno estudante do Oculto e da Sabedoria Celeste, aspiro com todas as forças de minha Alma Imortal chegar ao mais alto grau, atingindo a própria divindade. Como princípios da polaridade, somos o Sol, símbolo da vida, centro da vitalidade e coração da essência solar que pulsa dentro dos limites de nossa esfera solar. Somos o espírito em ação e manifestação na matéria.
        Somos a Lua, símbolo da matéria sutil, a substância essencial para a forma e o desenvolvimento. Somos o veículo do espírito e a base sem a qual não poderíamos agir. Todas as provações que passamos em nossas vidas tem sua significação que quando compreendidas deixam marcas indeléveis em nossas mentes. Desde um passado longínquo, ninguém que não tenha destruído todo pensamento do eu e extinguido toda a aspiração egoísta jamais poderá adentrar aos portais dos Templos de Mistérios. Se duvidar do que eu digo, tenho a dizer-lhes que a dúvida é como um micróbio canceroso que alimenta continuamente o medo  e paralisa as energias; não me refiro as dúvidas sobre as formalidades, credos, dogmas, e sim, sobre a qualidade superior e eterna da verdade e da justiça. Aquele que não duvida desses princípios adere ao reto caminho, confiante em que, seja o que for que as aparências indiquem, no final será bem sucedido e triunfará acima de tudo.
 
        Como diz no texto de Sóror A.'.B.'., vemos que:

       Thelema abrange o estudo do Homem (Microcosmo) e do Universo (Macrocosmo) e toda a gama de relações entre ambos, no intuito de se chegar à Vontade Superior individual, ou seja, qual o seu papel, como indivíduo separado e solitário, dentro do quadro do Infinito. Esta é a Grande Obra do Iniciado, e pode levar toda uma vida – ou muitas vidas – para ser realizada. Sempre na solidão de seu próprio íntimo.
        Sabendo qual deve ser sua Vontade, o Homem poderá fluir como o proverbial pássaro, deslizando de asas abertas no vento que o carrega, sem esforço e sem conflito. Parece simples, não é mesmo? Pois não é. Conhecimento, especialmente conhecimento interior, exige um longo e árduo processo. Ao mesmo tempo, a recompensa é o poder que o conhecimento proporciona a quem dele se assenhoreia. E todo poder é uma arma, que pode ser apontada tanto para fora quanto para dentro de si próprio. Como vimos acima, toda interpretação dos preceitos da Lei de Thélema é individual. A minha visão e o meu entendimento serão necessariamente diferentes da visão e do entendimento de alguém mais, e a descoberta do significado recôndito de cada postulado deve ser feita pela própria pessoa. O crescimento em Thélema é um processo inteiramente solitário. Qualquer discussão a respeito do assunto seria estéril, já que não há duas realidades exatamente iguais, nem duas mentes exatamente iguais. Talvez eu consiga impor meu modo de pensar e de interpretar sobre você, mas isto não significaria que tenho razão – apenas que tenho mais poder de persuasão, ou talvez mais eloqüência. Talvez seja interessante trocar idéias, mas deve-se sempre ter em mente que a conversa seria apenas isto: uma troca de pareceres individuais, e que qualquer tentativa de convencer o interlocutor seria uma invasão de sua órbita e uma intromissão em seu curso. Mesmo este livro é apenas a exposição de meu ponto de vista do assunto – o de outra pessoa poderá ser totalmente diferente do meu...
        Thélema não pode ser explicada, categorizada, catalogada. Não é uma religião, porque não possui nenhum sistema de fé ou dogma coletivo, nem tampouco um código moral. Não há deuses para os quais se deva rezar e implorar; não se prega a existência de milagres ou de quaisquer fenômenos que desafiem a razão do homem. Talvez poderíamos chamá-la de filosofia, ou processo filosófico, ou mesmo uma filosofia de vida, porque a busca pela sua Vontade Superior toma conta de cada
segmento de sua existência.
 
        A pergunta parece se resumir, então, ao que vem a ser esta Vontade. Somente o homem livre é dono de sua vontade. Somente o homem livre possui uma vontade livre. Quer dizer, a pergunta agora se tornou: o que é um homem livre, capaz de saber qual a sua vontade e realizá-la?
        O homem livre é aquele sobre quem nada e ninguém tem domínio. O que quer dizer que ele dominou tudo – começando consigo mesmo, seus anseios, suas angústias e os desejos que guerreiam em seu íntimo. O homem livre é, primeiramente, livre de si mesmo. Resumindo, temos então que a Lei da Vontade é a Lei do homem livre, e o homem livre, a quem esta Lei pertence, é o homem que tem domínio não apenas sobre o universo que o cerca, mas, acima de tudo, sobre si mesmo.
        O homem que domina a si mesmo não se deixa levar por caprichos do momento, que poderiam levá-lo à destruição. Ele faz escolhas baseando-se em uma escala de valores que está acima da temporal e momentânea satisfação. E por que isto?
Porque o homem livre se guia não pelo relógio do tempo ou do espaço, mas pelo movimento das esferas celestiais. Ao mesmo tempo, todo Homem e toda Mulher é uma Estrela, diz a Lei de Thélema – mas, até descobrir-se como tal, ele não é capaz de reger o próprio curso. É apenas mais um pedaço de barro levado pelas circunstâncias. Um servo. O homem livre busca, portanto, conhecer as regras do jogo infinito, estudar o curso dos astros e dos homens. Somente visto sob este prisma é que se pode ler Liber Oz, o texto que abre este livro, e aceitá-lo como filosofia de vida. Somente penetrando nos mistérios e segredos do Universo o homem pode verdadeiramente guiar a Merkavah (o Carro) de seu destino. Por isto a Lei de Thélema é a Lei do mais forte. Mas esta é a minha interpretação... a sua poderá ser outra, inteiramente diferente.
 
        Thélema é algo perigoso - não há como escapar disto. Ela lida com forças poderosas, e é preciso manter-se acima delas, com as rédeas firmemente nas mãos. Por isto o Thelemita busca o poder. Não para se assenhorear do mundo e dos homens, mas para se assenhorear de si mesmo e do próprio destino, da própria órbita - e defendê-la de quem quiser invadi-la - seja para o bem ou para o mal – até que sua Obra esteja completa.
       
        Em Thélema não há lugar para quem é fraco, quem é desequilibrado, quem é preguiçoso. Se você é fraco, pode ser arrastado por forças contrárias, ou por outras pessoas; pode se tornar megalomaníaco, ou perder completamente a auto-estima.
        Pode começar a culpar outros por tudo o que lhe acontece, e completamente falhar em entender o que você deveria estar aprendendo: controle próprio. Se você é desequilibrado, sofre o perigo de enlouquecer - as forças com as quais está lidando podem descentralizá-lo e tirá-lo de seu eixo. Por isto é importante praticar exercícios de equilíbrio.
        Se você é preguiçoso, nunca poderá atravessar os Portais do conhecimento, e será para sempre apenas um intelectual: talvez venha até a saber quase tudo sobre Thelema, mas não terá poder algum. Poder significa vivência. Você se transformará em Mago de mesa de bar, ou em um simples jogador de RPG – mas jamais em um verdadeiro Magista.
        Ser Thelemita significa ser lutador - você é aquele/aquela que empunha a espada. Mas cuidado! Há armadilhas aqui. A espada aponta tanto para fora quanto para dentro.
        Ser Thelemita significa desfrutar de tudo, sem deixar que nada o escravize em suas garras de prazer ou dor. Sua primeira ordália, a eterna ordália e a mais importante, será, outra vez repito, aprender a controlar a si mesmo, para que nada mais o controle. Ser Thelemita significa buscar a razão última das coisas, e agir de acordo com a Vontade do Infinito, que vem a ser a sua própria Vontade verdadeira - o que exige de você estudo, meditação, busca.
        Ser Thelemita significa ter pavio curto. As próprias forças que lhe dão poder também o tornam sensível a qualquer influência externa, de forma que você está sempre de espada em riste. Cuidado: aprenda a controlar sua ira, sua revolta  e sua repulsa contra a ignorância, a inércia e a mentira que o cercam. Nunca se esqueça: os servos servirão - mas não precisam ser vilipendiados por isto. Eles já são a ordália de si mesmos - até despertarem, se é que o farão, para a realidade de que todo Homem e toda Mulher é, na verdade, uma Estrela. Até que isto aconteça, serão apenas seres que se arrastam pela existência, ignorando seu enorme potencial. Enquanto isto, não seja você escravo de si mesmo!
        No decorrer de sua jornada, você passará por ordálias - que significam testes. Elas não serão colocadas em seu caminho por algum Mestre ou Superior, mas pela própria corrente Thelêmica vibrando dentro de você. Assim sendo, quando testes chegarem, não coloque a culpa deles em outras pessoas. Eles existem para que você aprenda a vencê-los, e possa crescer através do novo conhecimento adquirido, a nova força interior descoberta. Estes testes tomarão muitas formas
diferentes - de ordálias pessoais a profissionais, financeiras, etc. Esteja atento, porque, para cada uma, há uma solução positiva (mesmo quando não parece ser assim).
        Você também vai se deparar com enigmas - muito antes de encontrar a Esfinge. Sim, você vai se deparar com a Esfinge - em algum ponto da jornada. Mas os enigmas dela(e) se apresentarão a você muito antes de encontrá-la(o), desde o primeiro momento em que você se deparar com o primeiro ponto de interrogação.  Todas as respostas dependerão de você. As pessoas que o cercam, e a própria Vida, colocarão em suas mãos - muitas vezes sem o saber - textos, figuras, imagens - e as respostas que você procura estará  neles, dispersa, difusa. Cabe a você ler, meditar, procurar, montar o quebra-cabeça, desvendar o enigma - e crescer. Ninguém vai lhe dar conhecimento de colherinha na boca. Em Thélema, você planta, colhe e cozinha o que vai absorver. E seu crescimento depende exclusivamente de sua própria disposição de estudar, trabalhar, pesquisar e perguntar, a si e a outros - e depois digerir o que aprendeu. No fim das contas, ser Thelemita significa ser um eterno estudante, buscador, lutador. É pulsar com a emoção das descobertas e dos encontros, o que faz com que você, por seu turno, se torne uma tocha incendiada que faz com que os que estão ao seu redor perguntem o que o faz brilhar como a Estrela que é.
        E o ciclo começa então todo outra vez, quando alguém mais pergunta a si mesmo: "O que é Thélema?" - e penetra no turbilhão da busca de sua própria Vontade.