UMA EXPLANAÇÃO SOBRE AS MALDIÇÕES

POR FRANCISCO MARENGO

Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei

Esta é uma dúvida muito comum e que portanto tentarei explicar por partes para que haja uma compreensão plena do assunto. 

O homem pode ser identificado como ser espiritual, estrela, essência individual  ou  como chamamos em Thélema de "Khabs". Obviamente ele possuirá diversas vestimentas ("Khu em Thélema") utilizadas nos diversos planos de atuação que foram moldadas pelo "Khabs" à partir de uma série de influências astrais, kármicas e energéticas.

 Assim nossa energia primal encerrada por assim dizer no corpo físico, luta incessantemente e em partes subconscientemente para retornar a sua fonte primária de onde se originou. Essa energia aprisionada e alimentada pelo prâna, fohat, kundalini, que são energias primárias que servem para sustentação de "Khabs" no corpo físico.

Essas energias expandem-se resultantes da assimilação por parte do esforço centrífugo dos chacras, transformando-se em energia condensada dando a origem a "aura humana", hoje comprovada cientificamente como emanações eletromagnéticas, ou sejam de luz e calor.

Crowley disse: "Nossos diversos corpos (físico, astral, mental e espiritual) são como véus da Luz Interna. O Iniciado é uma estrela escura, e a Grande Obra para ele é tornar os seus véus (khu ou corpos) como véus transparentes, purificando-os. (...) Tudo é perfeito em si mesmo, mas quando as coisas são misturadas, elas se tornam más."

Assim baseados nos preceitos de Thélema, podemos concluir que a agitação mental de "Khabs", baixam vibrando até atingirem os corpos espirituais e o mais denso que é o físico (Khu), projetando-se em todas as direções de formas benfazejas (construtivas) ou malfazejas (destrutivas) de acordo com a Vontade que as originou. A isto aliamos o "Verbo" como a manifestação sonora do pensamento original, que pode ajudar a constituir uma força duradoura, também chamada de forma-pensamento. É interessante esse pormenor ao dizermos que é muito comum sentirmos através de nosso campo vibracional, quando alguém resolve falar mal de nós, ou um infortúnio vindouro. Aqui Mestre Therion ressalta:

" A natureza dos eventos deve ser "pura alegria", pois obviamente, o que quer que ocorra deve ser o cumprimento da Vontade de seu mestre (interior). O sofrimento assim parece como o resultado de qualquer luta mal sucedida - portanto, mal calculada. Aquiescência na ordem da Natureza é a Sabedoria Universal."

Aquiescência significa concordância na ordem das coisas, assim, quando não há essa concordância, é possível que soframos um impacto no choque ou tensão com outras estrelas (pessoas). Esse choque é geralmente oriundo do diabo do Ego que as pessoas não conseguem conter. Assim podemos dizer, que invariavelmente o encantamento gerado pela maldição origina-se e toma força como instrumento kármico e que a maldição é algo real e que pode de fato ser sentida no Karma coletivo de uma família, pois movimenta energias dos planos astral, mental, físico e etérico, como um bomba de pavio largo, onde qualquer fagulha de karma negativo a ser queimado, pode acender esse pavio e explode essa bomba recheada emotividades e toda a sorte de sentimentos destrutivos acumulados.

 O fluído do ódio acompanha a palavra malfeitora. Mas como se pode observar existe geralmente um início ou motivo que deu causa a "maldição". Ela não existe por si só, sem a intervenção de um autor que a deflagrou, pois do contrário, poderemos entender que unicamente existe o karma coletivo, que geralmente é muito difícil de ser modificado pois engloba múltiplas estrelas (seres) que precisariam se modificar beneficamente (a si próprios) no conjunto de atitudes que englobam suas vidas. 

Aquele que maldiz movimenta toda a sorte de energias destrutivas de estirpe inferior, cujas faíscas de ódio poderiam atingir com muita intensidade suas vítimas.

Senti na pele há anos atrás um caso como esse. Esse caso se passou com minha própria família, que é tradicional ( não que isso signifique grande coisa...) do bairro do Tatuapé em São Paulo. Meu bisavô cujo nome eu também levo, fora outrora designado como subdelegado regional de polícia, título este antigamente concedido a pessoas de caráter digno e honrado.

 Entretanto esse meu bisavô, tinha uma profunda aversão aos chamados terreiros de macumba ou candomblé (isso se deu no início do século passado). Meu bisavô, repleto de preconceitos religiosos, constantemente movimentava  "erradamente" a força policial para destruição dos terreiros, isso obviamente lhe ocasionou um sério Karma, atrelado ainda a uma maldição originada,  que segundo meu pai que me contara enquanto em vida, de uma dessas mães de santo.

 Há muitos anos atrás, realizei alguns poderosos rituais para conter o efeito de tal maldição, que  recheou minha família de acontecimentos ruins e misteriosos.

 A parte da família que se posicionou a meu favor, com o pensamento unido, conseguiu reverter a polaridade dessa maldição, o restante da família continuou sentindo até o presente dia os efeitos devastadores dessa maldição.

Amor é a lei, amor sob vontade. 

 

(palestra ministrada aos membros da Society O.T.O.)