MAGIA(K) E KARATÊ
A TÉCNICA DA MÃO VAZIA

Por Francisco Marengo

 


 

        Há um número de técnicas nas Artes Mágickas e no Karatê que são muito similares em sua natureza. Magick e o Karatê são, entretanto, dois sistemas diferentes de treinamento dedicados a tipos separados de atividade. Não obstante compartilham de algumas técnicas comuns, como por exemplo, determinados objetivos espirituais e psicológicos.

        Por exemplo, o Kiai, o som de poder do Karatê, é muito similar à arte mágicka de vibrar os nomes divinos. Kiai, entretanto, não é realmente um som de poder, nem é um som de poder o objetivo do Kiai. Kiai significa a união da corpo, mente e do espírito. "Ki" é o símbolo para o espírito ou a energia, e "ai" é o símbolo para uma reunião ou uma união. O som do poder é mais um produto desta união da corpo, mente e do espírito. O mesmo é verdadeiro em Magick no que diz respeito à vibração de um nome ou de uma palavra divina de poder. O nome ou a palavra não são a fonte verdadeira do poder, mas são quase a união do corpo, mente e espírito do magista.

        Kiai é feito de Hara ou Tanden. Hara é "o centro". Hara é situado a três dedos abaixo do umbigo. Corresponde ao abdômen na parte mais inferior. Mas Hara não é o centro do corpo; é o centro do nosso ser, um ponto central da energia, que reflete ambos, a energia interna e externa do corpo. No centro do Hara está um ponto vital de equilíbrio onde o corpo, mente e o espírito do Karateka se encontram tornando-se unos.

        Um Karateka é um praticante de Karatê. Ki é uma energia psicofísica (espírito). Ki é liberado com Kiai, que é originado no diafragma e é forçado até a garganta pelos músculos do abdômen ou do Hara. Isto é muito similar à vibração de um nome divino, que seja feito do  centro mágicko do magista, onde seu corpo, mente e espírito serão unos. Enquanto o Karateka se movimenta pela energia do Hara, vinte e quatro horas por dia, assim deveria ser o movimento do magista oriundo do centro de seu ser, deixando todas as ações fluírem para à periferia deste ponto até o centro da sua consciência.

        O conjunto de movimentos de combate executado pelo karateka, são denominados de Kata, que é um ritual do Budô. (Budô é o nome para se designa as artes marciais japonesas.) Kata então é uma seqüência de fórmulas dos movimentos em que o Karateka executaria frente a um ou diversos oponentes em sua imaginação. O Kiai é aplicado em determinados pontos de movimento do Kata quando o corpo, mente e o Ki se encontram com o Hara. Tal situação é muito similar ao ritual de banimento do Pentagrama, que é também uma seqüência dos movimentos (kata) em que o magista bani energeticamente os demônios ou elementais,  vibrando determinados nomes divinos em determinados pontos do ritual quando ele estiver unido com seu espírito (ki) no centro (hara) de seu ser.

        Apenas enquanto o magista alcança a perfeição com a Magia(k) Ritual, assim faz o Karateka que alcança a perfeição de seus movimentos com o Kata. Kata e Magick ritual são fórmulas de mover Zen, ou fórmulas ativas do meditação. O Karatê é chamado de "Zen móvel". A palavra Zen é um transliteração japonesa do Sânscrito Dhyana (meditação). O alvo de Zen é Satori, que é "despertar" instantâneo ou uma experiência interna de iluminação e intuição. Satori é alcançado com a arte do não-acessível, vivendo o espírito do vazio. O Karatê nos instrui a nos mover livre do medo e com o instinto desperto. O Karatê significa literalmente "mãos vazias", que significa não somente "mãos vazias para o combate", representa também o poder do deslocamento interior, que constitui o espírito de Zen. Tal é a natureza do Karatê (modo da mão vazia). Em Magick nós somos instruídos também viver sem medo, com a intuição e o instinto de modo a realizar nossa vontade sem a ânsia de resultado, isto é, sem ansiedade.

        O Karateka deve executar sua arte sem interferência da mente. Este mesmo princípio aplica-se ao magista, cuja a vontade mágica identifica finalmente com o próprio ser inteiro, de modo que se transforme em uma parte do inconsciente ou natural de sua personalidade. No Karatê e no Magick nós transcendemos finalmente a necessidade pensar sobre as técnicas da arte, crescendo dentro e fora do inconsciente.

        Finalmente os objetivos de Karatê e da Magia(k) é o mesmo, a integração do corpo, da mente e do espírito, a unificação central do microcosmo e do macrocosmo, bem como, desenvolvimento conseqüente do ser inteiro, que constitui a perfeição de sua alma. Esta é a fórmula de iluminação chamada, no Karatê, de olho da tempestade. É a realização do movimento Zen, ou meditação ativa, no centro da batalha diária da vida. É a libertação do "Eu Superior" para que ele possa fluir livremente. O Karatê e a  Magick constituem uma batalha pessoal com o ego inferior, para transcende-lo. O Karatê nos ensina que o único inimigo que possuímos está dentro de nós, assim o verdadeiro guerreiro ou Budoka deve somente conquistar a si mesmo, pois o fazendo, conquistará o inimigo inominável. O mesmo é verdadeiro em Magick, que nos ensina que o mais pérfido demônio (inimigo) é aquele que está em nossa essência e precisa ser colocado sob nossa Vontade Mágicka, que somente é derrotado quando o magista superar todos os obstáculos, e fizer sua Verdadeira Vontade triunfar na liberdade, e na  realização plena da Grande Obra.