MAGIA E OS TIPOS DE RITUAIS




Os rituais obedecem a uma classificação bastante ampla, conforme as intenções. Podemos distinguir rituais sazonais, de aperfeiçoamento, de iniciação, de exploração e de libertação, embora existam rituais que não possam ser incluídos em nenhuma dessas categorias e outros, que incluem duas ou mais.

Rituais Sazonais

São celebrados para assinalar acontecimentos especiais e os principais são os solstícios e os equinócios , que se alternam a cada 3 meses e que representam as mudanças das marés psíquicas. O mago considera que cada uma das 4 estações tem uma correspondência com sua própria psique,por ex: o elemento água é equiparado ao período entre o solstício de inverno e equinócio de primavera, e nesse tempo, sua alma se purifica, eliminando resquícios psicológicos desgastados e indesejáveis, preparando-se para um novo crescimento na maré do equinócio de primavera, que em geral, equivale ao fogo. É um processo consciente, contínuo, de crescimento psíquico, que se vale das estações do ano como um contexto natural e adequado.

Rituais de Aperfeiçoamento

Podem ser de dois tipos: gerais ou específicos. Têm o intuito de equilibrar uma distorção de caráter, que pode ser individual ou em grupo.

Rituais de Iniciação

Normalmente são rituais de grupo, ocasião em que um novo membro aprende o simbolismo específico utilizado pelo grupo. Pode não ser feito em grupo também. Normalmente é encenado um drama de renascimento, no qual o iniciado tem o papel principal. A idéia é de induzir o novo membro a um renascimento da consciência, para se conseguir que as realidades interiores alcancem a mesma força das exteriores. A medida em que vai acumulando experiência, o iniciado aprende a ver com seu olho interior e a perceber a realidade interior, da qual a ação física é apenas o reflexo externo. Existem muitos níveis de Iniciação, variando conforme o conhecimento do iniciado, e a cada nível, pode ser marcada uma nova cerimônia. Tais cerimônias, quando em níveis muito elevados, os rituais obedecem a uma classificação bastante ampla, conforme as intenções. Podemos distinguir rituais sazonais, de aperfeiçoamento, de iniciação, de exploração e de libertação, embora existam rituais que não possam ser incluídos em nenhuma dessas categorias e outros, que incluem duas ou mais.

Rituais Sazonais

São celebrados para assinalar acontecimentos especiais e os principais são os solstícios e os equinócios , que se alternam a cada 3 meses e que representam as mudanças das marés psíquicas. O mago considera que cada uma das 4 estações tem uma correspondência com sua própria psique,por ex: o elemento água é equiparado ao período entre o solstício de inverno e equinócio de primavera, e nesse tempo, sua alma se purifica, eliminando resquícios psicológicos desgastados e indesejáveis, preparando-se para um novo crescimento na maré do equinócio de primavera, que em geral, equivale ao fogo. É um processo consciente, contínuo, de crescimento psíquico, que se vale das estações do ano como um contexto natural e adequado.

Rituais de Aperfeiçoamento

Podem ser de dois tipos: gerais ou específicos. Têm o intuito de equilibrar uma distorção de caráter, que pode ser individual ou em grupo.

Rituais de Iniciação

Normalmente são rituais de grupo, ocasião em que um novo membro aprende o simbolismo específico utilizado pelo grupo. Pode não ser feito em grupo também. Normalmente é encenado um drama de renascimento, no qual o iniciado tem o papel principal. A idéia é de induzir o novo membro a um renascimento da consciência, para se conseguir que as realidades interiores alcancem a mesma força das exteriores. A medida em que vai acumulando experiência, o iniciado aprende a ver com seu olho interior e a perceber a realidade interior, da qual a ação física é apenas o reflexo externo. Existem muitos níveis de Iniciação, variando conforme o conhecimento do iniciado, e a cada nível, pode ser marcada uma nova cerimônia. Tais cerimônias, quando em níveis muito elevados,costumam ser realizadas em um templo que não foi construído por mãos humanas.

Rituais de Exploração

Dão continuidade ou incorporam a técnica da imaginação ativa, conhecida como viagem astral ou a concentração sobre uma visão espiritual. Em geral incluem uma cerimônia formal de abertura e encerramento, com algum trabalho original, em sua parte central que não costuma ser preparado antes. Esse trabalho pode ser uma meditação em grupo ou individual, que por ser feita na atmosfera mais elevada das condições rituais, é mais proveitosa que a meditação informal (e individual, muitas vezes).

Rituais de Libertação

São muito semelhantes aos rituais de Aperfeiçoamento, porém mais estreitamente ligados a determinados tipos de oração. Podem ter o objetivo de acalmar as almas dos que chamamos de mortos e que podem estar perturbadas por algum motivo. Podem também ter o objetivo de preocupar-se em auxiliar para que a luz do Cristo brilhe em obscura áreas de horror e terror, ajudando os que necessitam.

Vestimentas e Objetos



Representam uma parte essencial da cerimônia ( não são indispensáveis, mas servem como um forte reflexo exterior do que se passa em nosso interior ), porque quando entramos num ritual, nos despimos de nossa personalidade cotidiana e vestimos uma versão mágica - a que corresponde ao rito. Somos então, auxiliados pelos símbolos e pela vestimenta.

O Círculo



É possível considerar um templo mágico como sinônimo de um círculo mágico. O ideal seria ter um aposento ou um quarto de fundos reservado apenas para o ritual. Nem sempre isso é possível, então o melhor a fazer é transformar temporariamente um aposento qualquer em templo, construindo um círculo mágico. Podemos pintar um círculo em um pano ou tapete, que estenderemos no chão e que pode ser enrolado e guardado quando não estiver em uso. O que interessa mesmo é o círculo interno e não externo (porem o circulo não pode ser quebrado de modo algum. Um Irmão avisou que seu grupo quebrou o círculo em um ritual e se deu mal). Ele serve apenas para se conseguir uma concentração e visualização muito mais forte do que seria possível de outra forma. A diferença entre um círculo mágico e um templo mágico, é de que o círculo é imaginariamente tridimensional e o templo totalmente tridimensional. Num templo haveria um círculo permanente no chão, e mesmo assim, o iniciado teria de usar sua concentração e imaginação para construir o círculo e o templo interiores. Dispondo apenas do círculo físico, temos de construir o resto com nossa imaginação concentrada, e a única diferença é que ao nosso redor não terão as paredes físicas para nos ajudar numa melhor visualização. Resumindo, se puder ter um círculo e um templo, tenha-os. Facilitará o seu trabalho ajudando na sua concentração. Se não puder, não desanime. É possível obter o mesmo resultado, você só terá que se empenhar mais.

Orientação Interior

É o propósito do círculo e também do templo. No sentido bidimensional, estamos parados no centro de um horizonte infinito, no ponto exato de encontro das direções cardeais do leste, oeste, sul e norte. No sentido tridimensional, vemo-nos no centro de uma esfera ou de um cubo e, neste último caso, no ponto central entre as seis faces, os oito cantos e todos os doze lados. Pode parecer banal, mas a maioria das pessoas precisa exatamente de orientação psíquica, e esta é uma maneira excelente de obtê-la. O círculo representa a totalidade do homem (de si próprio) e a totalidade do UNIVERSO. Dessa forma, aprendemos em primeiro lugar a nos orientar em sentido central em relação a nossa individualidade maior e desconhecida, as alturas e profundezas,o Bem e o Mal, o passado e o potencial - e também com respeito a totalidade maior.

A divisão do círculo

Poderíamos dividi-lo em doze, em seis etc. Para melhor explicar dividiremos em quatro, designando para cada divisão um elemento tradicional - água, terra, fogo e ar. A divisão é feita com base nos pontos cardeais e teremos um elemento para cada um. Utilizaremos um quadro de correspondência para cada elemento/quadrante. Você pode considerar as correspondências citadas como parte integrante da tradição estabelecida (as quais para mim são de valor comprovado), entretanto, se quiser pode mudá-las com o que mais lhe atrair.

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA

AR FOGO ÁGUA TERRA
LESTE SUL OESTE NORTE
ESPADA BAQUETA CÁLICE PANTÁCULO
AMARELO VERMELHO AZUL VERDE
AMANHECER MEIO DIA ENTARDECER MEIA NOITE
PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO
VIDA LUZ AMOR LEI
ESPERANÇA CARIDADE COMPREENSÃO
INFÂNCIA MOCIDADE MATURIDADE VELHICE

Poderíamos continuar essa lista indefinidamente. Ser apenas um colecionador de símbolos e ficar estudando quadros de correspondência sem nunca utilizá-los é como ser um colecionador de roteiros turísticos sem nunca sair do lugar. O conhecimento não é tão importante quanto saber usá-lo.

Aplicação das Correspondências

Serve como um exercício inicial, de introdução mesmo. Imagine um círculo ao seu redor, claramente marcado e dividido em 4 quadrantes, conforme os pontos cardeais. A leste, num ponto do círculo, visualize a Espada flutuando no ar, com a ponta pra cima.(normalmente utilizamos espadas com o punho em cruz). Aproxime-se da arma imaginada e comece a construir as outras correspondências, pode -se fazê-lo em qualquer ordem, pois o propósito é conseguir, em seu interior, despertar a sensação de todas elas juntas. Enquanto estiver parado ao leste, imagine uma luz amarela te iluminando, sinta o ar se mover ao seu redor, ouça os pássaros,e perceba o despertar da vida na primavera, sinta-se como criança, e também cheio de fé na glória e beleza de todas as coisas, perceba o pulsar da vida. Permaneça assim por no máximo dez minutos, depois volte para o centro do círculo e assuma seu estado normal de consciência. Repita esse procedimento em cada quadrante. Pode experimentar os quadrantes sucessivamente, ou se quiser, um por dia. É proveitoso fazer este exercício por algumas semanas. Entretanto, é importante desenvolver todos os quadrantes, de maneira nenhuma se apegue a um só! Se você pretende se concentrar em um quadrante mais do que nos outros, este deverá ser o que menos lhe atrai, pois dessa forma você poderá restabelecer seu equilíbrio psíquico.

LEMBRETE: Podemos conseguir da Magia tanto quanto colocamos nela! Nos estágios iniciais, uma pessoa não contribui com muita coisa, é algo que vem com o tempo e a prática. Pessoas neuróticas ou instáveis não devem mexer com o oculto sem a supervisão de uma pessoa experimentada, para que não aconteçam dissociações descontroladas da percepção. Entretanto, a pessoa experiente tem a possibilidade de conseguir mais do que aquilo que contribuiu. Nos primeiros meses ou semanas de estudo, é aconselhável aumentar nossa experiência em relação aos quadrantes, descobrindo outros atributos em nosso interior, sem auxílios artificiais, para que não sejam criados obstáculos ou confusões. Vá com calma!

Acessórios

Se você dispõe de local adequado, pode começar a procurar os objetos para cada quadrante. Por exemplo, pequenas lamparinas a óleo, copos coloridos para colocá-las, nas cores apropriadas a cada quadrante. Se quiser pode ter quadros também, apropriados a cada quadrante, representando as quatro estações ou os quatro elementos, ou ainda o amanhecer, o meio-dia e o entardecer e a meia-noite. Podem ser abstratos ou simbólicos, pode pintá-los se quiser. De qualquer forma, é melhor evitar o excesso de peças, é preferível ter poucos arrumados e escolhidos com bom gosto, ou seu local virará um antiquário super esquisito! A não ser que goste, é claro...

AS ARMAS MÁGICAS


A Espada


Conforme a tradição deve ser recebida ou conquistada.

A Baqueta Mágica
Deve ter um desenho exclusivo, ser feita por você mesmo, sem que qualquer pessoa saiba ou possa vê-la. Quando utilizada em rituais externos, é substituída por outra vara. Como ela representa sua própria vontade espiritual, jamais deve ser mostrada a outros, a não ser em circunstâncias excepcionais, e deve permanecer oculta num local secreto, envolvida em seda.

A Taça
Deve ser um presente de alguém que ama você.

O Disco
Deve ter um desenho que represente sua própria e pessoal compreensão do Universo.


Os Nomes Mágicos

Ou nomes de poder. Existem dois nomes principais para cada quadrante. Um desses é o nome de Deus e o outro é o da inteligência arcangelical, que por tradição, acreditamos estar governando cada quadrante.
LESTE SUL OESTE NORTE
IHVH ADNI AHIH AGLA
RAFAEL MIGUEL GABRIEL ARIEL


Os nomes de Deus são todos hebraicos, e são pronunciados com a mesma força em cada sílaba, que deve ser um pouco prolongada. Os que seguem as antigas tradições, freqüentemente visualizam as quatro letras de cada nome em caracteres hebraicos em luz dourada, diante deles em cada quadrante.

EXPLICAÇÃO DOS NOMES DE DEUS

IHVH
É um nome utilizado no Velho Testamento e que os judeus devotos consideram tão sagrado que não deve ser pronunciado, aliás, parece que a pronúncia correta é desconhecida. Conhecemos a seguinte: Ii-a-uuu-ê. Antigos estudiosos pronunciavam como Jeová, outros Iavé.


ADNI
Frequentemente traduzido como Adonai, significa Senhor. É o nome que substitui IHVH quando um judeu lê a Bíblia em voz alta. Pronuncia-se A-do-na-i.


AHIEH
Em geral se escreve Eheieh, é o nome que Deus revelou a Moisés com o arbusto em chamas. É traduzido como Eu Sou, ou Eu Sou O Que Sou. Enfatiza Deus como um fato sempre presente., que era, é , e sempre será.

AGLA
É uma forma especial de código secreto, porque é um nome composto com as iniciais de uma frase " Ateh Gedulah Le'ohlahm Adonai", que significa " Tu És poderoso para sempre, ó Senhor". É um nome apropriado para o quadrante norte, que entre outras coisas, simboliza o que está oculto ( o Sol da Meia-Noite, etc.), a lei e a coompreensão.


VIBRAÇÃO DOS NOMES

Podemos já acrescentar esses nomes ao exercício dos quadrantes. Devem ser vibrados, e não pronunciados de qualquer maneira. Quando pronunciados, devemos estar com uma postura diferente, o pé direito atrás do esquerdo, as mãos sobre o coração com os dedos apontados para o alto, mantendo uma leve pressão. Produz equilíbrio físico e mental. Os nomes são falados com a respiração forçada, como se tivéssemos expelindo-os de nossos lábios. A voz mais sonora, emendando as palavras e enfatizando ao máximo as vogais e as consoantes. A vibração das palavras corretamente pronunciadas pode ser sentida em algumas partes do corpo, especialmente nas palmas das mãos e solas dos pés. Depois de praticar algum tempo, a mente fica tão condicionada que assim que os nomes são pronunciados, todo o resto de imagens flui em sua consciência. Nesse caso, você terá construído uma palavra mágica!

Poderes das Armas Mágicas

É consolidando poderes psíquicos e realizações em objetos e ações que o iniciado desenvolve os poderes de suas armas. Não no espaço externo, e sim interno de cada um. Sua espada mental, simbolizada pela espada física será mágica. Lembro que continua sendo importante limpar, manusear e guardar a sua espada física. Ela é a sua ponte entre os dois mundos.

Nomes Arcangelicais

Ao abrir sua percepção para outros planos de existência, você naturalmente entrará em contato com os habitantes daqueles planos. Com esse contato se consegue guia e proteção , invocando a inteligência arcangelical própria de cada quadrante. O método para vibrar tais nomes é o mesmo utilizado para os nomes de Deus. Raa-faa-eel , Mii-gueel, Gaa-brii-eel, Aa-rii-eel.

Imagens Telesmáticas

Ao vibrar os nomes em cada quadrante, é comum visualizarmos uma figura (um anjo de asas por exemplo), e isso pode ser bom ou ruim. É bom, pela habilidade do iniciado em formular imagens e mantê-las firmes em sua mente (uma ou duas horas, por exemplo) quando necessário, e é ruim, por deixá-las ter vida e movimento próprios e observá-las enquanto isso acontece, ou conversar com elas, mantendo um delicado equilíbrio entre deixá-las estáticas ou rígidas demais, e serem levadas para a difusão ou caos. Rafael é um guia de viajantes e aparece na Bíblia como o guia de Tobias. Miguel é representado matando o dragão da maldade com uma longa lança. Gabriel é o anjo da Anunciação e carrega uma trompa em suas mãos. Ariel é o menos conhecido,seu nome significa luz e pode ser representado como uma figura escura, de feições já envelhecidas carregando um grande livro aberto e com um dedo apontado para as estrelas.

O ALTAR E AS COLUNAS - PARTE II

Sua essência é prática e simples, pois representa o portal para os planos interiores. A seguir, uma tabela de correspondências:

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA DAS COLUNAS
COLUNA ESCURA COLUNA CLARA
NEGATIVO POSITIVO
FEMININO MASCULINO
NOITE DIA
PASSIVO ATIVO
RECEPTOR EMISSOR
FORMA FORÇA
PINGALA IDA
YIN YANG
BOAZ JACHIN


As três últimas correspondências são os nomes desses princípios nos idiomas hindu e chinês, e na instrução maçônica.

Exercícios com as Colunas

Podemos primeiro, meditar sobre as colunas, individualmente, aumentando nossa percepção do que elas representam. Segundo, ficar parados entre elas, nos transformando numa terceira coluna e por último, nos imaginar atravessando-as como um pórtico de templo egípcio (é importante imaginar um dintel (verga superior) ligando-as.), elevando nossa percepção. No terceiro exercício, é importante estar consciente , fazer uma preparação com alguns minutos de relaxamento, seguidos de respiração ritmada com um pouco de meditação. Em seguida, aproxime-se o mais lentamente possível das colunas, como se você estivesse se aproximando do portão desconhecido para um país oculto - o que você realmente está fazendo. Perceba claramente o dintel superior enquanto atravessa, e sinta a mudança de consciência que se opera em você. Pare um pouco além das colunas e dê um passo para trás, voltando a atravessar, percebendo as mudanças novamente, e voltando ao seu estado de consciência normal. Pode ser útil formular um guardião da entrada e uma senha, ou sinal visual . Se for uma senha, deve ser pronunciada silenciosamente, e ao dizê-la o portal deve se abrir, dando guia e proteção à você no outro lado.A senha ou sinal servem para sua segurança pessoal, evitando interferências de outras entidades e planos.Uma simples fórmula de cerimonial

Para mostrar de que maneira os diferentes fatores da magia ritual se reúnem num rito, vamos apresentar agora uma simples fórmula de cerimonial, de maneira que o estudante possa começar a praticar sem demora. Vamos supor que o altar se encontre no centro, ladeado pelas colunas , com a branca à direita e a preta à esquerda. As colunas podem ser imaginadas se necessário, mas o altar é imprescindível.(ou uma mesa que o represente, com uma pano branco - pelo menos nessa fase inicial). Os quatro quadrantes podem ser marcados por quatro cadeiras, viradas para dentro. Esse é o alicerce de um templo mágico, que pode ser organizado em qualquer local.

O processo de crescimento

A partir do simples ato de acender uma vela oriental para indicar que os poderes do leste estão atuando no templo, você pode progredir até ter uma espada cerimonial, que será desembainhada no leste e transportada através do templo para ser colocada sobre o altar. Ou, pode começar acendendo um incenso. No que diz respeito ao vestuário, você pode começar com uma roupa comum, até um avental, que reservará para essa finalidade, até conseguir ter a vestimenta adequada. A forma mais simples de equipamentos para realizar um ritual pode parecer ridícula, entretanto aquele que tira maior proveito do pouco que tem pode se sair melhor do que aquele que encomenda um templo sob medida apenas assinando um cheque. (lembre-se das bruxas antigas!) A palavra chave nesse caso, é desenvolvimento, e não apenas o fato de possuir os objetos! Prepare o primeiro círculo conforme os requisitos. No sentido mais restrito da palavra, o ritual já começou e isso deve ser feito calma e dedicadamente. Tire os sapatos e ande de meias, para indicar que você está preparando uma via interior. Em seguida, vista-se (avental ou a roupa adequada) e sinta que está vestindo também, a sua personalidade mágica. Calçando os chinelos compreenda que agora é capaz de trilhar os caminhos interiores. Já pronto, fique de pé ou parado alguns minutos no oeste,e depois de alguns simples exercícios de respiração e relaxamento, visualize o templo como você queria que fosse, em forma ideal. Algumas pessoas utilizam música, é opcional. O que realmente importa é o trabalho interior. Vá até o quadrante oriental e a partir desse ponto, caminhe três vezes ao redor do templo, em sentido horário. Visualize durante a primeira volta, um halo de luz `a sua volta. Na segunda volta, esse halo, que, partindo do sul e subindo pelas colunas, desce, atravessando o norte para subir mais uma vez ao sul. E na terceira volta, um halo de luz que, subindo do oeste, desce atravessando o leste e passando sob o templo, volta a subir no oeste.

A cruz cabalística

Em seguida, vire-se para leste no quadrante oriental e persigne-se com a cruz, para estabilizar a aura. Diga e proceda assim: "Em Tuas mãos (com o dedo indicador e médio esticados toque o alto de sua testa) está o reino (toque o plexo solar) o poder (toque o ombro direito) e a glória (toque o ombro esquerdo) para toda a eternidade, amém (junte as mãos sobre o peito)" A visualização que acompanha a cruz cabalística consiste em visualizar e sentir uma luz branca e brilhante que desce das alturas e atravessa sua cabeça, chegando aos pés, e prossegue até o centro da Terra, e depois um feixe de luz igual, de um ombro ao outro, chegando até os horizontes. Alguns pronunciam palavras em hebraico, o tradicional idioma mágico, e nesse caso dizem:

"Ateh/ Malkuth/ Ve Geburah/ Ve Gedulah/ Leolahm Amén" É interessante experimentar de todas as formas.

Ritual de abertura do pentagrama

Tradicionalmente se utiliza um pentagrama (estrela de cinco pontas) como lacre astral em cada quadrante. Nesse contexto o número cinco é importante, pois representa o homem dominando os quatro elementos (o homem espiritual). O método normal de se traçar um pentagrama no ar durante a abertura é o seguinte: com os dedos indicador e médio apontados e o braço estendido, percorra a seqüência 1-2-3-4-5-1.. A seguir, aponte para a figura e vibre o nome divino apropriado. Vire-se lentamente para o quadrante seguinte mantendo o braço e os dedos esticados e visualizando ao mesmo tempo, uma linha luminosa dourada, até apontar para o quadrante seguinte. Desenhe então o pentagrama. Todo esse processo serve apenas para preparar uma área de trabalho.

Os arcanjos dos portões

De frente para o leste, com os braços esticados horizontalmente, em forma de cruz, pronuncie vibrando:

"Diante de mim, Rafael a oeste, Gabriel ao sul, Miguel ao norte, Ariel"

A cada vibração, visualize os arcanjos. Pode se incluir também invocações aos reis elementais : Paralda a leste, Djin ao sul, Nixsa a oeste e Ghob ao norte e as entidades elementais relacionadas, tais como: Silfos, do ar, Salamandras, do fogo, Ondinas, da água e Gnomos da terra... Ao invés de permanecer com os braços abertos, você pode também acender uma vela ou lamparina de cor apropriada a cada quadrante, e assim  por adiante.

Em seguida, vibram-se as afirmações conclusivas do seguinte teor:

"Ao meu redor, chamejam os pentagramas: Atrás de mim, brilha a estrela de seis pontas: E acima de minha cabeça está a glória de Deus, em cujas mãos estão o reino, o poder e a glória, Para toda a eternidade, amém"

(repetir a cruz cabalística)

Defumação

Depois de abrir o templo, antes do propósito principal do rito, podemos defumá-lo com incenso, que costuma ficar no quadrante do fogo.Invocação do Grande Mestre

Pode ser um texto escrito ou apenas uma vibração com seu nome (o do Mestre), seguido de meditação e visualização sudeste. A identidade do Grande Mestre é um segredo do templo que não deve ser revelado a estranhos. É uma figura mitológica, ou bíblica, ou lendária, que pode representar suas aspirações. O propósito é desenvolver um fortíssimo contato pessoal com o Grande Mestre.

Declaração de propósitos

Efetuado o contato com o Grande Mestre, pode-se pronunciar uma declaração simples, olhando e virando-se para o oeste:
"Eu declaro este templo aberto nos mistérios de (nome do Grande Mestre) A senha será.....................
E a saudação será o sinal de...................."

A senha é um resumo da tendência dos trabalhos num determinado período, e pode ser mudada a cada ano, trimestre ou intervalos regulares. Ex: "Amor vincit omnia" ou "Eu tenho a luz", etc. A saudação pode concordar com a senha, sendo um gesto estilizado. Apenas depois de utilizar a palavra e osinal, você abre sua percepção para novos contatos interiores. São portanto, salvaguardas pessoais, e não misteriosos segredinhos românticos. A abertura termina com uma declaração dos propósitos da cerimônia: "O trabalho de hoje será.................." ou "......a celebração do equinócio..." e por ai adiante.

O fechamento

Poderemos fechar o templo procedendo da seguinte maneira: " Vamos fechar o templo. Agradecemos a (Grande Mestre), cuja sabedoria nos assistiu e cujo poder nos protegeu."
Pode-se dizer de pé, a leste, olhando pára oeste.. Agora vire-se olhando para o quadrante oriental e execute a cruz cabalística, depois o ritual do pentagrama de fechamento, que é o mesmo da abertura, só que a seqüência dos movimentos agora é: 5-1-2-3-4-5.

Os nome divinos são vibrados como antes. Invocam-se os arcanjos, só que agora visualizados olhando para fora em vez de para dentro. Quaisquer outras entidades invocadas na abertura devem ser abençoadas e agradecidas, pedindo que se afastem e todos os símbolos recolocados em seu lugar. Por fim, dê as 3 voltas invertidas, caminhando em sentido contrario e finalize batendo com força o pé no chão. Pode se despir, no oeste ou no norte, com calma. Guarde a mobília ritual com calma também ou deixa onde está se quiser, até que você termine de registrar suas impressões sobre o trabalho no seu diário de magia.

O ANO RITUAL

Um elemento importante num templo mágico efetivo é a constância nos trabalhos com ele. Importante por dois motivos: primeiro a prática constante, aperfeiçoa sua própria técnica através da experiência. Segunda, garante que os símbolos e a atmosfera local permaneçam com sua energia psíquica. É útil ter um calendário para ritos sazonais durante o ano. Deve se baseado no ciclo solar de equinócios e solstícios. Os movimentos da Terra em relação ao Sol resultam em duas datas nas quais os dias e as noites tem igual duração: são os equinócios da primavera e do outono, que no hemisfério austral caem em 21/23 de setembro e 21/23 de março. São esses os dois acontecimentos principais do ano ritual e com, seu equilíbrio de forças e simbolismo, não deviam passas despercebidos. Pertencem aos quadrantes oriental e ocidental do templo. O equinócio de primavera é a celebração da renovação de todas as coisas, enquanto que o de outono é a celebração de um encerramento frutífero. Correspondem, respectivamente, à Páscoa e à Ação de Graças. para as colheitas do ano cristão.

Os solstícios de verão e inverno

Ocorrem respectivamente em 21/23 de dezembro e 21/23 de junho (hemisfério austral). O solstício de verão corresponde ao quadrante meridional, é a celebração da proliferação da vida no meio do verão, da plenitude paradisíaca, já o solstício de inverno, corresponde ao quadrante setentrional, é a celebração da semente de novas vidas que germinam na escuridão e do eventual triunfo da luz, enquanto os dias começam a se alongar e as noites a encurtar.

CALENDÁRIO DAS PRINCIPAIS CERIMÔNIAS DO ANO

02 de fevereiro Candelária - o nome antigo é Oimelc, sendo a festa da purificação da Virgem Maria e da apresentação de Jesus no templo, que libertou a alma do ancião Simão, que esperava para poder ver a "Glória Encarnada". Também é uma antiga celebração em honra de Ísis, em sua forma céltica, associa-se a Brighit e a cerimônia de lavar a face da Terra. Brighit foi cristianizada como Santa Brígida.
21/23 de março Equinócio de Outono - Como o equinócio de primavera, é uma festa do equilíbrio das forças. É o tempo para realização física de idéias.

01 de maio Beltane - ou festa da primavera.

21/23 de junho Solstício de Inverno - ou o dia mais curto e a noite mais longa do ano. Conhecido também como Yule.

02 de agosto A Festa de Assunção Em 2 de agosto é a festa da Assunção da Virgem Maria. É um dogma católico relativamente recente, e coincide com outro antigo festival, o de Ísis, que era anunciado pelo surgimento de Sírius, a estrela da constelação do Cão Maior, o abridor de caminhos. Vale considerar que a Virgem Maria é também uma abridora de caminhos, porque essas celebrações, na mesma data, são mais do que simples coincidências.

Lammas - também conhecido como Lughnasad, o Deus do Sol.

21/23 de setembro Equinócio de Primavera - Dias e noites iguais.

01 de novembro
Dia de Finados - celebração em homenagem aos mortos. Conhecida como Samhain, Sowen ou Halloween.


21/23 de dezembro

Solstício de verão - a noite mais curta, o dia mais longo. É possível trabalharmos com magia sem termos um local físico com objetos e coisas dentro dele. É possível fazer um ritual dentro de uma catedral, ou ao ar livre se preferirmos. Muito mais difícil, com certeza, de trabalhar com armas e símbolos mentais, sem estabelecer a ligação que os objetos físicos nos proporcionam. De qualquer forma, o que vale é que dessa forma, continuamos podendo satisfazer um antigo provérbio da magia: QUERER, SABER, OUSAR, CALAR.

OS PODERES PLANETÁRIOS

Estamos falando em planetas tradicionais, que são cinco atualmente visíveis - mercúrio, Vênus, marte, júpiter e saturno, que somam sete, juntando o sol e a lua, os quais naturalmente não são planetas sob o ponto de vista astronômico. Entretanto estamos mais interessados na dinâmica dos mundos interiores do que na organização física dos mundos materiais, e os planetas tradicionais são convenientes focos simbólicos para sete tipos de energias de plano interior. Para esse fim, oferecemos um plano alternativo de círculo mágico ou templo, em forma de hexagrama, ou a estrela de Davi, no qual estão assinaladas as potências planetárias. Os estudantes de Cabala logo reconhecerão que esse desenho deriva da Árvore da Vida, com Saturno na posição de Daat, assumindo os poderes do excelso Sefirot, enquanto a Lua, em Iesod, também incorpora os poderes da Terra de Malkuth. Embora não seja essencial, algum conhecimento da Árvore da Vida cabalística seria bom, ajudando bastante. Se nos colocarmos no centro desse templo, estaremos no ponto do Sol central, ao redor do qual revolvem os outros planetas (a Lua gira ao redor do Sol por ser um satélite da Terra). Recomendamos a invocação dos poderes planetários do templo no contexto geral do templo elemental, pois as forças planetárias são apenas especificações dos poderes elementais mais generalizados da Terra, através dos quais todas as força extraterrestres devem se manifestar antes que as possamos perceber.

UM RITO COM FORÇAS PLANETÁRIAS

Após a abertura do templo elemental como de costume, com o ritual de abertura do pentagrama, podemos continuar e celebrar um rito com forças planetárias, com suas configurações sobrepostas às elementais. Como exemplo, vamos supor que queremos consagrar uma bola de cristal para aumentar sua capacidade de produzir visões psíquicas. Ao concluir a abertura, fazemos a declaração de intenção do rito. A bola de cristal deve se encontrar no oeste, pois os assuntos psíquicos estão relacionados com a Lua. A bola pode ser colocada sobre um espelho de prata e coberta com um pano roxo antes do começo desse rito; o espelho poderá estar dividido em nove secções radiais ou de outro tipo, ou de maneira a representar nove facetas. Todos esses detalhes dependem da imaginação criativa e do talento do operador, considerando-se as correspondências planetárias especiais, que veremos em seguida.

A respiração pela fontanela

É feita da seguinte maneira: mantendo uma respiração profunda, constante, regulada para uma contagem de 1 a 4, concentre-se, durante uma inspiração, mentalizando uma luz branca acima da cabeça, enquanto você solta o ar, puxe a para baixo, através do eixo central do corpo, para cima, até a cima da cabeça,e ao soltar o ar, projete-a como um chafariz de luz (branca ou de cor apropriada para o trabalho), que cai ao redor do templo, impregnando a atmosfera psíquica. Fazendo assim, encha o templo com uma luz roxa. Nesses caso, pode-se fazer orações a Deus, para que interceda e com a guia do arcanjo Gabriel e das falanges de anjos a seu comando, a bola de cristal possa ser usada de maneira sábia e eficiente. Como parte do ritual, podemos defumar a bola nove vezes com o incensório, queimando incenso apropriado. Ou dar nove voltas ao redor do templo.Reações fisiológicas

Um ritual de grande poder pode produzir reações fisiológicas, tais como batimento cardíaco acelerado, dificuldade em manter o equilíbrio e comichão ou formigamento em algumas partes do corpo. Aprende-se a controlar estas emoções, mas elas dificilmente acontecerão com um aprendiz solitário, que em geral, não consegue produzir grandes forças. No fim do ritual, de graças a Deus e ao arcanjo, as falanges de anjos e outras entidades envolvidas, antes do encerramento. Tais agradecimentos devem ser sinceramente sentidos, não uma ladainha vazia.

Material mitológico e lendário

Para tornar a magia eficiente, devemos ter um bom conhecimento da mitologia e das lendas. Os principiantes podem ficar indecisos entre atribuir um trevo de quatro folhas a Vênus (porque é verde) ou a Júpiter (porque tem quatro folhas). Qualquer das duas correspondências pode servir. A seguir, uma lista dos planetas e de suas atribuições particulares:

SOL - A vida e a luz em geral. Como fonte de luz e de calor,e centro do sistema planetário em termos astronômicos, as operações do Sol ajudam a restabelecer o equilíbrio, a harmonia, o bem-estar, e ajudam no crescimento das coisas.

LUA - O lado interior das coisas, as visões psíquicas, os sonhos, o sistema neurovegetativo. Além de provocar as marés dos oceanos, também se relaciona com as marés psíquicas interiores, com o fluxo e o refluxo, e os ciclos da vida natural. Sua natureza reflexiva se relaciona também com o psiquismo e a clarividência.

MERCÚRIO - Tem a ver com todas as coisas de natureza intelectual, ler, escrever, estudos, livros, etc. Também com os negócios e comércio e, ainda, ciência e tecnologia (que inclui a magia). Comunicações em geral, por escrito, pela eletrônica e pela viagem física. A astúcia e habilidade, levadas a extremos, podem resultar em algum desvio e até desonestidade, ou então, sofisticação intelectual, o que é chato do mesmo jeito.

MARTE - Tem a ver com análise, comprovação, justiça, processos, disputas e contendas. Entretanto é errado vê-lo como símbolo de confronto, basicamente é uma esfera de energia, de natureza pioneira, aventureira e iniciatória. A agricultura, a jardinagem, os alimentos e o meio de vida também entram em seu âmbito. Isso se refere também ao risco, que elimina as tensões, mostrando o lado positivo da natureza destrutiva de Marte. Um outro campo que sofre sua influência é o da cirurgia.

JÚPITER - A esfera da ordem, da organização e do governo, o trabalho perfeito de uma máquina, que pode ser administrativa, mecânica ou biológica, ou qualquer outra forma de cooperação de partes em prol de algo em comum. Trabalho de equipe e hierarquia, como também fraternidade e amizade completam o quadro.

SATURNO - Muitas vezes Saturno (como Marte) é mal entendido por causa de uma ênfase em seus aspectos menos atraentes, e sua influência é considerada restritiva. É um análogo mais elevado das quantidades terrestres - uma concretização e realização de planos, ou concretização e realização de energia em forma de riqueza, dinheiro, terras, etc. (o que pode ter um efeito restritivo, porque impõe certas responsabilidades!). Também representa sabedoria mais elevada e intuição, que são concretizações da vontade do espírito, o impulso básico e o motivo divino de cada homem ou mulher.

Na tabela a seguir, a primeira linha indica o número, a cor, o metal, o incenso, a pedra preciosa e o signo do zodíaco apropriado. Em seguida, algumas divindades representativas, egípcias(E), gregas (G), romanas(R) ou nórdicas(N). Depois, o arcanjo cabalístico(A) e a falange angelical(F). Para mais material, aconselho a consultar um manual sobre a Árvore da Vida, pois esta lista está muito longe de ser completa.

SOL - 6 - amarelo - ouro - olíbano - diamante - leão. (E) Ra (G)Éaco, Apólo, Adonis (R ) Baco, Aurora (N) Baldur (A) Rafael (F) Malaquim, ReisLUA - 9 - púrpura - prata - jasmin - cânfora - pérola - pedra da lua - câncer. (E) Shu, Isis (G) Diana,Artêmis, Hécate, Selene, Perséfone. (A) Gabriel (F) Querubim, Os Fortes.

MERCÚRIO - 8 - laranja - mercúrio - stórax - mastique - opala -ágata - gêmeos, virgem. (E) Toth, Anúbis (G) Hermes, os Sióscuros, Apólo de Pítias ( R ) Mercúrio (N) Loki, Odin

VÊNUS - 7 - verde - cobre - sândalo - esmeralda - touro - libra. (E) Hathor (G) Afrodite, Nikê (R ) Vênus (N) Friga (A) Haniel (F) Elohim, Os Criativos

MARTE - 5 - vermelho - ferro- sangue de dragão, tabaco -rubi, jaspe - áries, escorpião. (E) Hórus, o vingador (G) Ares, Hades, Atena, Pã, Príapo ( R) Marte (N) Thor (A) Khamael (F) Serafim, Serpentes de Fogo

JÚPITER - 4 - azul -zinco - cedro - safira, ametista - peixes, sagitário (E) Amon (G) Zeus, Possêidon ( R)Jove, Netuno (N) Wotan (A) Tzadakiel (F) Hasmalin, Os Esplendorosos

SATURNO - 3 -anil - chumbo, barro - mirra , azeviche - safira estrelada - aquário, capricórnio. (E) Néftis, Osíris (G) Cronos, Plutão (A) Tzadakiel (F) Aralim, Tronos.

OBS.: CASO VOCÊ TENHA INTERESSE EM SE APROFUNDAR MAIS NO ASSUNTO, RECOMENDAMOS A NOSSA SEQÜÊNCIA DE ESTUDOS COM ACOMPANHAMENTO INTERATIVO,  QUE COMPREENDE:

O CURSO BÁSICO DE MAGIA

O CURSO INTERMEDIÁRIO

O CURSO DE ENCANTAMENTOS E MAGNETISMO

www.cursosdemagia.com.br