A ORDEM FRANCO-MAÇÔNICA DA CENTÚRIA DOURADA NÃO PROMOVE OU INCENTIVA PRÁTICAS ILÍCITAS DE QUALQUER ESPÉCIE, NEM ADVOGA A FAVOR DA VIOLÊNCIA SEJA DA FORMA QUE SE APRESENTE, OU QUE POSSA FERIR AS LEIS ESTABELECIDAS PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL OU LEIS DE QUALQUER OUTRO PAÍS QUE ESTEJAMOS ESTABELECIDOS OU O USO DOS BONS COSTUMES. NOSSOS OBJETIVOS SÃO MERAMENTE SOCIAIS E CULTURAIS -

 

Todos os dias, os diretores da E.I.E. armados de sólidos conhecimentos Ocultos, começam a leitura de um novo possível Grimório a ser traduzido, dedilham um novo Curso, livro, palestra ou evento a ser realizado pela Escola.  

 

Em nossa didática pretendemos que os erros e impropriedades comuns em muitos materiais antigos, sejam suprimidos pelo crivo de quem ao largo de mais de 30 anos se envolveu com a teoria e prática dos mais diversos sistemas de magia em todo o mundo.  

 

Já, trazer uma nova Ordem para a sociedade é um trabalho metódico e minucioso. Ainda bem: se não existissem ocultistas providos da determinação - e se grandes Escolas Místicas como a E.I.E. não lhes dessem guarida, os ataques a “Verdade” certamente teriam provocado estragos de dimensões ainda mais formidáveis.

 

Felizmente, E.I.E CAMINHOS DA TRADIÇÃO e a O.'.F.'.M.'.C.'.D.'., a começar pelos colaboradores, está decididamente engajada na missão de levar aos estudantes, um trabalho irretocável tanto na forma quanto no conteúdo. E virtualmente impossível evitar que algum tipo mesquinho ou ganancioso se infiltre nos inúmeros trabalhos que propomos, tais como palestras e cursos. E como parte desse esforço, exigido também por força da Tradição que pertencemos, que a E.I.E decidiu implantar no Brasil a O.'.F.'.M.'.C.'.D.'., cuja tarefa agora é encontrar verdadeiros Irmãos com o perfil adequado para executar a tarefa de demonstrar a Verdade partindo do princípio da conquista interior e do despertar dos dons adormecidos e potencialidades inerentes a todos os seres humanos. Lutaremos sempre pela Verdade e pela justiça, perdoaremos nossos adversários, porém os venceremos antes.

 

Esta Irmandade que vos apresentamos, ressalvamos desde logo, que ela não tem e nem terá semelhança alguma com determinadas Organizações que existem em outras paragens, aparentemente forjadas para a fabricação em série de pseudomísticos de proveta, robôs infensos a qualquer gênero de lealdade, igualdade e fraternidade.

 

Existem algumas organizações que pretendem ser o Centro do Mundo, senão do próprio Universo. Têm-se a si próprias como Poder Moderador Absoluto e crêem poderem ditar regras para quaisquer outros que possam apontar-lhes seus erros ou pisarem em seus calos.

 

Estas Organizações, entretanto, não têm capacidade de auto-julgamento, sequer estabelecem regras para seus membros que adentram ao cenário político e se envolvem nas teias da corrupção.

 

No Brasil deste início de milênio, sobretudo nas diversas Ordens e Fraternidades Iniciáticas, parecem efetivamente quixotescos os pseudo-iniciados que lá existem empenhados em defender sua fraca ideologia filosófica daquilo que consideram seus inumeráveis agressores, ou dedicados a impedir que aconteçam os espancamentos  ao seu sistema. Na verdade temem que uma filosofia superior  os deixem definitivamente prostrados.

 

Assim, só mesmo os descendentes dessa estirpe pseudoiniciática esculpida por Cervantes se animariam a investir contra uma espécie de adversário que garantimos ser-lhes mais poderoso. A cada confronto parecemos esfumaçar-nos, porém ressurgiremos como a Fênix na manhã seguinte, desafiadoramente incólumes e ainda mais potentes e perigosos que dantes. Para Davi bastou um único e rápido tiro certeiro para acabar com Golias.

 

Qualquer ocultista  com alguma experiência sabe perfeitamente que um sistema iniciático sem erros configura uma terra prometida que jamais alcançaremos, se bem que podemos nos aprimorar para sermos impecáveis em nosso trabalho. 

 

Saibam que a O.F.M.C.D. não está aqui por acaso. Os corruptos serão nossos inimigos, assim como, todos aqueles que se voltarem contra a nação, através de atos ou atitudes desmerecedoras. Queremos que a Lei se cumpra em todos os níveis. 

 

Conhecemos plenamente os nossos direitos, assim como, o uso permissível de determinadas nomenclaturas que estejam em domínio público. 

 

Os Landmarks serão preservados, mas vale ressaltar que a Lei foi feita pelo homem, e o homem não foi feito pela lei. Velhos tabus dissonantes devem ser quebrados quando ferem a verdadeira Igualdade, Liberdade e Fraternidade de todos os seres humanos, sem distinção de raça, sexo, cor ou crença pessoal.

 

A O.F.M.C.D. , de acordo com o Supremo Conselho da Centúria Dourada, é uma Potência Mista, ou seja, nossos membros podem ser homens e mulheres de bem, e que visem o seu aprimoramento interior assim como da Sociedade em que vivem como um todo.

 

No Brasil, a liberdade de culto só foi aceita e legalizada após a proclamação da República, através do Decreto 119-A, de 1890, de autoria de Ruy Barbosa. E se tornou norma constitucional com a Constituição de 1891, que transformava, inclusive, o Brasil em um Estado laico, portanto, sem uma religião oficial definida por lei. Hoje a liberdade religiosa é algo amplamente difundido no ordenamento jurídico. Em nossa Constituição Federal podemos citar o artigo 5°:

 

Artigo 5° - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

 

VI- é inviolável a liberdade de consciência de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

 

VII- é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;

 

VIII- ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

 

Além disso, estes direitos gozam da proteção que lhes é atribuída pelo Código Penal no artigo:

 

Artigo 208. Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou pratica de culto religioso.

 

E ainda de acordo com o doutrinador Mirabete (1998, pg. 394) temos que:

 

“Embora sejam admissíveis os debates, criticas ou polêmicas a respeito das religiões em seus aspectos teológicos, científicos, jurídicos, sociais ou filosóficos, não se permitem os extremos das zombarias, ultrajes ou vilipêndios aos crentes ou coisas religiosas.”

 

Contudo, através do que pode ser observado acima, a liberdade religiosa é um direito que foi de difícil conquista e que deve ser feito observância a sua preservação em todo ato e processo jurídico.

 

 

 

 

 

 

 

 

FAQ

Artigos Maçônicos