A FÓRMULA DO INFINITO

 

por David Bersson (Frater Sphinx)
tradução Francisco Marengo (Frater Magister)

 

Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.

Não podemos dizer que os perigos que ocorrem com Iniciações são sejam reais. No entanto, os Iniciados não necessitam preocupar-se com a possibilidade de nosso caminho conduzir a insanidade. Deixe-me explicar claramente ao noviço o porquê disto, e tentar explicar que as possibilidades de sucesso com uma Iniciação real depois do Livro da Lei se tornaram mais eficientes do que as realizadas no passado.

Naturalmente, estes conceitos foram utilizados pelos Sacerdotes Egípcios antigos e Sacerdotisas de Nuit, sendo re-introduzidos outra vez por Aiwass no Livro da Lei com métodos definitivos de procedimento de modo que o Infinito fosse abraçado, e pela Iniciação manifestado em conformidade com este planeta, e talvez de outros.

O Infinito é temido profundamente não somente no nível primal, mas superficialmente na consciência. A evolução ocorre naqueles que vão adiante sem medo experimentar. Para aqueles de vontade fraca isto é totalmente impossível. Num outro plano, pode representar o medo da queda, o medo de alcançar experiências novas, a insegurança que se abre como um deserto em sua mente, como seu abismo, cujas estrelas pouco iluminam esse mero indivíduo mundano.

O Infinito é tentar alcançar o seu exterior que antes da Lei de Thélema, resultaram muitas vezes em algum tipo de insanidade. Assim poucos ousariam arriscar com a fórmula iniciática antiga cujas percepções do auto-sacrifício alcançaram níveis mortais. Isto significou a estagnação e a necessidade de uma nova fórmula de Iniciação e Auto- Iniciação.

Sob circunstâncias ordinárias, o impacto dos resultados infinitos resultariam na insanidade. Nós não temos nenhum parâmetro, e conseqüentemente nenhum ponto da referência para assimilar isso numa Iniciação manifestada. Não obstante, o Livro da Lei resolve este problema da Iniciação manifestada introduzindo o conceito de "Nuit" como algo tangível para o buscador, ou seja, manter-se no trajeto para agarrar outros planos de existência, porque o conceito é percebido com total sanidade por todo o novato e em qualquer nível. Um noviço pode facilmente permitir ao Infinito ser percebido como um deus ou ainda estejam alcançando externamente uma fórmula ou resultado para experimentar o seu brilho estelar. Notável que a percepção do "abismo" é simplesmente o simbolismo desta "abominação da desolação" em conseqüência um de nossos medos do Infinito. Conseqüentemente, o Livro da Lei preparou-nos claramente para uma Iniciação maior onde o abismo pudesse ser dissolvido na onipresença de nosso corpo.

Também, a percepção de "Hadit" como experiência, manifestou a elasticidade e a introspecção mais adicional do novato para a assimilação possível em um alinhamento mais elevado de forças infinitas, chamados para finalidades gerais por nós de "radiação estelar".

Com o Livro da Lei e as instruções superiores em Liber Nu e em Liber Had, nós praticamos seriamente este achado da fórmula através da "abominação da desolação", uma vez a extremidade da estrada para nossa sanidade é simplesmente um terreno firme para pisarmos, onde uma consciência nova possa, de fato, perceber a consciência de sua continuidade e da sua onipresença de seu corpo.

Isto significará que com a vinda do Novo Aeon, a Árvore da Vida deve ser ajustada a nossas novas percepções. Nós temos uma fórmula que seja menos perigosa para nosso crescimento interior e eventualmente para uma melhor conscientização de Kether.

O Livro da Lei nos dá um método mais sadio de alcançar os níveis mais elevados de consciência sem os perigos passados na insanidade e no estresse originado em nossas reações para com o Infinito.

No entanto, todos que se alinharam com as correntes negras, serão obviamente impedidos pelos seus egos introduzidos no caminho para realização do pleno progresso espiritual que os despertaria para o infinito. Um irmão da Loja Negra não é um irmão negro, são meros fantoches a serem conduzidos e nunca conduzirão a si próprios. O irmão negro não assimila a abominação da desolação, pois seguiu uma fórmula imprópria ao tentar cruzar o abismo. Representam conseqüentemente uma corrente demoníaca a que os tolos e fracos, desejam sempre estar acorrentados em conseqüência de sentimentos inferiores tais como a não superação de seus temores e o ódio aflorado em sua natureza interior.

Amor é a lei, amor sob vontade