Exame de Situação

Escrito por David Bersson

 

Se eu estiver determinada a ser feliz, questiono-me em qual situação eu realmente posso atingir esta felicidade; para tal, aprendi que também advém da experiência, a maior parte de nossa felicidade ou miséria, pois isto dependerá de nossas disposições, e não de nossas circunstâncias.

Martha Washington (1732 - 1802)

Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei

Tornou-se aparente para mim que em meus relacionamentos com mulheres que aspirem às iniciações mais elevadas de nossa Sagrada Ordem, a necessidade de elaborar as complexidades do procedimento que as leve aos mistérios mais elevados, onde sejam de fato conectadas com a Alta Sacerdotisa. "Que a mulher seja cingida com uma espada diante de mim" - esta é uma citação direta do Livro da Lei, cap. III, vs. 11. Como são muitas as interpretações deste trecho, algumas vezes completamente satisfatórias somente neste ou naquele plano, eu darei agora a informação predominante para aqueles que estão especialmente interessados em nossa Escola de Pensamento, com minha versão peculiar do que seja o Jardim do Mestre.

( Vide Liber 418 - 1.º Aethyr) Um exemplo pragmático de uma ordália recente com uma irmã da Ordem enfatizaria extremamente e elaboraria concisamente a consideração direta ao espírito apropriado do significado de "a mulher cingida com uma espada".

Contudo antes que eu dê este exemplo examinem novamente a frase, "mulher cingida com uma espada". Certamente, um cenário criado por mim esclareceria a matéria aos olhos do entendimento da Sacerdotisa Aspirante onde teria uma percepção desobstruída em como se revestir desta fórmula Arcana.

Como disse vou narrar uma alegoria da qual gostaria que vocês estudantes compreendessem o sentido filosófico que se encerra nesse conto. Imaginem duas mulheres da antiguidade andando através de um bosque no crepúsculo onde nós lhes muniremos com duas espadas para se protegerem de algum infortúnio, aliás muito comuns nos dias de hoje nos parques de grandes cidades.

Agora a primeira mulher está andando quando surgem dois larápios e a vêem-na como presa fácil à noite para seqüestrar, roubar ou pior. Diríamos que esta primeira mulher foi violada e roubada pelos vagabundos que sabem, que ela por ser mulher, é mais fraca e acham-na demasiada estúpida para retirar sua espada e tentar enfrentar seus raptores. Obviamente, esta mulher somente "desgastou a energia de sua espada" porque a mesma não foi afinal utilizada e jamais será então "cingida pela energia de sua espada".

Ela não fez exame da situação e não se levantou realmente para lutar de encontro a seus agressores, para assim tentar emergir em triunfo de uma situação muito difícil. Falhou em sua Ordália preliminar para alcançar o espírito Thelêmico que entoa cânticos de vitória e conquista em todo Livro da Lei. Agora a segunda mulher também "cingida com uma espada". Em vez de permitir ser violada pelos vagabundos, e de se jogar aos seus pés de seus inimigos com aquele clima de rendição e submissão característica do Velho Aeon, puxa a espada e mata ambos os bandidos, e enquanto eles morrem sacrifica-os cerimonialmente a Ra-Hoor-Khuit. Então limpa sua espada na roupa dos inimigos imolados e retorna para casa para expressar sua aventura deliciosa a seu Sacerdote. Certamente, a segunda mulher não "desgastou a energia de sua espada", ela era uma mulher de Thelema "cingida com uma espada".

Passou pela Ordália preliminar para alcançar esse espírito Thelêmico no Livro da Lei, se tornando uma Sacerdotisa e uma mulher digna. Obviamente, esta mulher é candidata aos mistérios mais elevados da posição de Sacerdotisa e por demonstrar sua honra terá direito as classes mais elevadas da Ordem.

Agora, um exemplo recente da mesma Ordália. Uma irmã da Ordem encontrou-se grávida por um irmão da Ordem. Este irmão tinha expressado sua aspiração a Grande Obra e suas Iniciações confirmaram-se ao corpo inteiro de nossa Sagrada Ordem tanto na palavra, como em suas ações. Era especial, um Thelemita da classe do Amante (do IV ao VI grau), sem tendências para o casamento ou para monogamia. Deixe-me observar que a Sacerdotisa pertencia ainda a classe do "Homem da Terra" (do I ao III grau) a qual como Sacerdotisa tem um trajeto e uma fórmula diferente enquanto neste estágio, eu não elaborarei neste ensaio particular as Ordálias que correspondem a Sacerdotisa. O "Homem da Terra" em nosso caminho é ordinariamente contrário à "Classe do Amante". Posso somente advertir ao noviço para não misturar os planos dos trajetos dos três tipos de Thelemitas.

 

Pois bem, esta irmã que se encontrava grávida se incomodou pela situação, mesmo sabendo que nosso irmão não havia se recusado a assumir a responsabilidade como pai da criança. Mas isto não era suficiente para ela, pois seu objetivo era ter seu amante ao seu lado, a qualquer custo. Ela então criou uma crise emocional onde correu a outros irmãos para expressar seu desânimo, achando que mesmo este irmão assumisse a criança ele não agiria de maneira consistente e com a satisfação preconcebida de suas percepções em relação ao futuro da criança e com ela própria. Foi a uma irmã e disse: "eu estou com um problema". Foi a um outro irmão e disse: "ele age como um ser irresponsável". Foi a uma outra irmã e disse: "eu posso morrer se eu tiver esta criança" - e assim por diante até que os irmãos e as irmãs de seu círculo mais imediato começaram a se transformar em detrimento de suas atitudes imaturas. Obviamente, como uma mulher Thelemita, ela sendo "cingida com uma espada", não tentando aprender com sua Ordália, buscou consolo junto a Irmãos e Irmãs que nada podiam fazer em relação ao fato. Em vez de manter sua Ordália, e o assunto confidencial entre ela e o Sacerdote, futuro pai da criança, podendo inclusive buscar conselhos com um Superior hierárquico começou a degenerar em falsas acusações, mesmo nosso Irmão tendo garantido que assumiria seu futuro filho ou filha.

Ela deveria ter examinado a situação com mais cuidado. E finalmente procurar seu superior para compreender sua situação e eventualmente a melhor forma de lidar em seu relacionamento com o Sacerdote, fazendo ela mesmo compreender se este deveria terminar ou continuar. Deve-se notar que o Superior na Hierarquia foi o último a ser informado sobre o problema e que mesmo assim recomendou as melhores atitudes com relação ao Sacerdote e a Sacerdotisa. Num primeiro instante, os conselhos do Superior a Sacerdotisa funcionaram mas logo em seguida ela deixou de lado os conselhos de seu Superior, permitindo que a situação resultasse em frustrações emocionais reais. Certamente, se ela se inspirasse em seus conselhos, teria retirado sua espada rumo ao universo, dizendo:

"Eu sou uma estrela que segue meu curso, eu tenho a coragem de tomar uma decisão e fazer exame profundo sobre a melhor decisão a ser tomada."

Certamente, teria sido melhor respeitar a vontade maior de seu Sacerdote, com quem teve uma tendência natural para ser a amante e prosseguir no caminho com a bandeira de Thelema, expressando também a sua maneira de trabalhar sua vontade no trajeto do amante. Note que o exemplo acima é idêntico em equação ao exemplo do parque. Ela se permitiu ser amada e dominada por suas emoções, permitiu que o medo incorporasse a fórmula de seu destino, e acabou sentido-se violada e abatida pela dualidade, sem sequer ter feito um exame de consciência que é assim conspicuamente óbvio nas palavras, " a mulher cingida com uma espada". Era somente DEPOIS QUE as relações eram ásperas com troca de insultos que o Superior finalmente pode se aproximar e aconselhar a Sacerdotisa. Entretanto, sua aura estava num estado tão lastimável que todas as pérolas de sabedoria entraram numa orelha e saíram pela outra.

Note que se uma Ordália não passou completamente e corretamente na primeira vez, ela deverá ser refeita e repetida inúmeras vezes até que a Iniciação esteja perfeita no aura do Magista. Eu já expliquei anteriormente que algumas Ordálias são severas podendo gerar frustração e desânimo para que acabe dizendo que somente se está levando a vida, numa tentativa de afastar na Ordália mais crucial, a posição de Sacerdotisa mais elevada. Tal mulher do exemplo acima, geralmente "não seria uma de nós" e estaria melhor ausente do meio daquelas que aspirem aos poderes da Iniciação e que nos fazem todos fortes pela União Sagrada exatamente no centro de nosso Círculo. Não há dúvida, se você não puder ser o "Mago & o Exorcista" você estará se dividindo, ao invés de buscar o encontro e si mesmo, e numa de suas extremidades será como escravo fraco esperando que alguém venha em seu salvamento.

Deixo este franco aviso a todas as Sacerdotisas Aspirantes que esperam ser "cingidas com uma espada", para que a cada ponto "parem para fazer exame de consciência" principalmente em situações de perigo ou de transição extrema.

Nós não a consolaremos, nós não faremos uma leitura de Tarô para que você alivie sua dor ou sua preocupação. Você será tratada como uma noviça que tenha que passar por uma Ordália Real que a desperte para uma Iniciação Verdadeira. Lembre-se disso, os meios verdadeiros para aquelas que estão adentrando aos umbrais de nossos templos, é ter uma experiência de Iniciação e de aprendizagem real, cujos resultados possam despertar-las num sentido verdadeiramente espiritual num plano mais elevado de existência. Seus medos, baixas emoções, cólera ou gritos de frustrações serão desgastados conosco, para que sinceramente aspirem ver a Verdade da sua Iniciação sendo integrada na aura de nossos Iniciados.

 

Amor é a lei, amor sob vontade.