O CAMINHO DO CAVALEIRO THELÊMICO
E DE SUA SACERDOTISA
Por Francisco Marengo

 

Faz o que tu queres há de ser tudo da lei.
 
        O conhecimento é a primeira etapa real para a realização do trabalho na Grande Obra; é o primeiro degrau da escada em espiral que conduz ao palácio da sabedoria. Sem ela não há nenhuma possibilidade para auto-realização genuína. É o começo de um processo criativo do indivíduo, de fazer viajar a alma, junto aos caminhos internos, fazendo transcender a si mesmo conseguindo a integração ou a verdadeira unidade do ser. É o alvorecer da alma, e o florescer do lótus interno do espírito.

        Do ponto de vista Thelêmico, o conhecimento é o início e o nascimento da Verdadeira Vontade, que é a realização e a unificação do verdadeiro trajeto com o cosmos, que assim fazendo originará a manifestação do conhecimento e do poder do verdadeiro "Eu". Para realizarem a verdadeira Iniciação em Thélema, não importa a Ordem escolhida, é necessária antes a realização plena da Verdadeira Vontade, que traz conjuntamente a realização do maior conhecimento que um mortal pode realizar que é a conversação com o nosso Santo Anjo Guardião.
       
       Neste curso abordaremos aspectos importantes sobre a  Iniciação Thelêmica cujo processo é realizado em três fases distintas, sendo as três classes principais da realização do pilar mediano, chamadas o eremita, o amante, e o homem da terra. Cada classe complementa a outra, em qualidade principalmente. Assim, temos que o trabalho do homem da terra é alcançar o entendimento para o conhecimento de sua verdadeira vontade e para por esse conhecimento em prática e fazer a ligação desse conhecimento com um poder mais elevado; o trabalho do amante além de alcançar o conhecimento e a conversação do Santo Anjo Guardião, onde o magista alcançará o poder de combater e o poder de amar com intensidade, além de aperfeiçoar a si mesmo e em todas as coisas sejam mundanas ou espirituais, confrontando-se com a inevitável decisão crítica para cruzar o abismo ou não.  Esta é a essência da corrente do sistema intitulado "Magick" cujo trabalho do eremita é ser um mestre do universo é ensinar a maneira correta para seus discípulos  semearem a semente da árvore do fruto do conhecimento, também de ser um mestre de "Magick" sabendo expressar a palavra de seu "Eu" verdadeiro, e finalmente para ser um mestre de todas as modalidades físicas, culturais e espirituais da existência humana, alcançando a essência,  a totalidade do ser, o todo no  todo. Essas são, entretanto, definições muito limitadas do trabalho da tríade sagrada de cada classe, contudo definem a qualidade geral desse trabalho.
       
        A Iniciação em Thélema é o despertar do desenvolvimento e da eficiência no que diz respeito à execução e a realização ativa de sua Verdadeira Vontade. A eficiência é o poder de produzir efeitos. É, erguer a aplicação apropriada da vontade mágicka, e ter o poder de fazer mudanças na conformidade com sua vontade. Disto emana classes definitivas da realização pessoal e mágicka, e somente a necessidade mais dedicada e a mais diligente do estudante aplicado ao trabalho sério destas classes é que o fará realizar o sucesso almejado.
        A iniciação em Thélema é a exploração e a realização da natureza e seus poderes aplicados de forma científica de acordo cm suas propriedades. A purificação de tudo que é indispensável ao progresso, e faz  o desenvolvimento e o consagração livres de todas aquelas partes de si próprio que são um elementos essenciais na constituição de sua Verdadeira Vontade, fazendo com que você possa alcançar o trabalho rumo a Grande Obra neste Æon de Hórus.
       
        A iniciação em Thélema é uma matéria muito séria, envolvendo o despertar da natureza mais elevado em você. Aqueles que são examinados por instrutores despreparados para uma Iniciação Thelêmica sem compreender os poderes reais que serão despertados no processo são inconscientes dos efeitos nocivos que tais forças despertadas em vórtices mágickos, geralmente até muito freqüentemente, falhando a Iniciação, atraindo para si terríveis Ordálias, e sendo incapazes de compreenderem a qualidade séria de sua fórmula. Para ser iniciado em um sistema Thelêmico com a fórmula de Magick, numa Ordem Thelêmica é necessário antes fazer um auto-exame terminando com a responsabilidade para si próprio e a dedicação à tarefa de realizar todos seus potenciais criativos como ser humano e ser espiritual. Tal é a tarefa de quem, está em busca de um caminho sério, principalmente por aqueles que vivem procurando falsos ou despreparados mestres em todos os lugares.
        Aqueles que empreendem uma iniciação Thelêmica sem compreender o trabalho real que estão realizando, estarão desperdiçando portanto, todo um trabalho e atraindo para si terríveis provações em que sucumbirão sem compreenderem onde se meteram de fato. É portanto, simplesmente uma estupidez submeter-se a uma iniciação em uma Ordem Mágicka sem a vontade mágicka desenvolvida para avançar no trabalho da Grande Obra. Há muitos que são atraídos às ordens mágicas e que se submetem a iniciações cerimoniais para as mais diversas finalidades, que, infelizmente, não têm nenhuma relação ao trabalho na Grande Obra. A maioria delas, entretanto, além de uma estadia curta,  serão geralmente incapazes de realizar posteriormente  ordenação mágicka de Iniciação Real, pois estarão possivelmente tomados pelo demônio do Ego, que é parte essencial do processo iniciatório e se encarrega de afastar e iludir os fracos de espírito.
       
        As ordálias podem ser financeiras, emocionais ou físicas, podem envolver terríveis e irreversíveis perdas inclusive de sua própria sanidade mental. Isto sem a ajuda de um mestre devidamente preparado pode ser um grande entrave para o estudante progredir, e,  dependerá do conhecimento e da força do novato para se livrar de uma Ordália indevida. Se o novato tiver o conhecimento apropriado, o respeito pela natureza verdadeira de uma ordália, e se tiver a coragem enfrentar os fatos, de encarar sua triste realidade de que encenou uma falsa iniciação na matéria e no espírito, a ordália transformar-se-á numa fonte do progresso e de iluminação, levando o novato numa escada para a liberdade. A Iniciação se reveste com ordálias, pois não importa quem seja o Iniciado, ele terá que provar que é capaz de passar terríveis tensões a fim de que no final possa se aproximar do trabalho na Grande Obra e atingir finalmente um aspecto de redenção e iluminação espiritual; tentar evadir-se de uma ordália mágicka denotam a incapacidade do neófito no cumprimento de suas tarefas e que portanto, na melhor das hipóteses não realizarão nada e nem atingirão resultado algum.
        Conhecer uma ordália Iniciática é ter compreensão dos significados mais relevantes, para que esta não possa nos quebrar ou destruir. freqüentemente, uma ordália aparecerá como um conflito externo, parecerá como um insuportável ataque astral, ou até, como uma experiência e crescimento, onde nós desenvolveremos um conhecimento genuíno da natureza do conflito. Se o novato for verdadeiro de coração, ele se realizará inevitavelmente, e absorverá todos seus conflitos em sua estrutura psíquica interior, e perceberá que em verdade todo o conflito real da sua vontade interior, até por conseqüência deste conhecimento latente, se projeta em seus conflitos sabendo que a fonte de todo o conflito está dentro de si, e que não há nenhum inimigo ou força inimiga fora do ser.
       
        A Iniciação de Thélema é uma batalha pessoal com o "Self", com o interior. O novato de Thélema é um guerreiro da natureza que conhece somente um inimigo -- O SEU EGO INFERIOR. É o ego sozinho que dirige sua atenção durante toda a crise, conflito ou adversidade tornando ou fazendo parecer um conflito maior  ou pior do que é na realidade, fazendo com que o magista novato não se aperceba de que em verdade é o ego inferior a fonte real do conflito. Tenho me deparado com muitos magistas ou "ditos" magistas thelêmicos, que vivem abertamente tristes conflitos interiores. Parecem que se acostumam a isso e se declaram inimigos a tudo e a todos que consideram errados sem ter a coragem de olhar seus próprios umbigos.
        Assim também o verdadeiro neófito aprende com seu instrutor como responder criativamente a todo o conflito parecendo centrar sua atenção dentro de si ao invés de fora, reconhecendo e resolvendo seus próprios complexos internos que são a fonte de todo o conflito em sua vida. Com esta resposta criativa, o novato crescerá genuinamente. Por isto um instrutor se opõe fortemente a influenciar a formação da  estrutura da sua personalidade mágicka. Se nós respondermos criativamente nós construímos a força do caráter, visto que se nós reagirmos fora da ignorância tão comum em determinados magistas que são piores do que "burros xucros",  nós não danificamos a oportunidade real de progredir no Caminho da Sabedoria.
       
        Com esta resposta criativa nós experimentaremos menos conflito. Reconhecendo o ego inferior como o único inimigo, e subjugando este inimigo com o autocontrole e disciplina, o novato encontrará a sua própria satisfação, que poderá impedir de controlar o que maioria parece se opor e fazer com que este haja livremente em seu ser. Tais desavisados não perceberam que dominar o inimigo interior pela espada da verdade constitui uma fórmula genuína de poder intuitivo que faz o novato ciente de extinguir um conflito  antes que ele se levante realmente, assim permitindo o novato impeça que aconteça com si próprio o descontrole emocional terrivelmente pernicioso contra quem lida com tais forças poderosas. Nivelando seu Ego Superior na fonte de um conflito que parecerá inevitável,  o novato pode com o conhecimento e o autocontrole, superá-lo e promover a paz interior e exterior. Tal é a natureza verdadeira do trajeto do guerreiro e dos Cavaleiros de Thelema, para perceber e impedir um conflito potencial ou um perigo eminente, ou mesmo,  para controlar tal conflito até ao ponto em que ninguém sairá ferido, e este superando o inimigo real dentro si. Segundo Crowley: “Um juramento mágicko, é a mais irresistível das forças morais. Ele é uma afirmação da verdadeira vontade; sendo o elo entre a consciência humana e a consciência divina da natureza do ser. Um juramento mágicko, que não expressa a Verdadeira Vontade, desperta forças de oposição, enfraquecendo o homem de acordo com seriedade do compromisso “.
        A arma do guerreiro ou Cavaleiro de Thelema é a espada da verdade, que é usada não para destruir o inimigo -- ao menos não literalmente -- mas para controlar a energia inferior dentro do inimigo dizimando-o na fonte de seu poder. A espada do guerreiro é um símbolo iniciático da força e poder, mas é também um símbolo do amor que é alcançado com esta divisão. A espada divide o novato do atacante, contudo une-os também. Ou seja a espada é o conhecimento que discrimina entre o real e o irreal, entre o inimigo real interior e o falso inimigo exterior, através desta fórmula da discriminação o novato e o atacante, o interno e o externo, transformam-se um. É somente através desta fórmula discriminação e identificação com o inimigo sem aquela ânsia de resultados que nós poderemos derrotá-lo verdadeiramente, ou impedir que ele nos destrua. Se nós nos transformarmos em um com o inimigo com o reconhecimento de que ele é uma reflexão do verdadeiro inimigo interior, nós estamos então, e somente então, em uma posição verdadeiramente real para sucumbir-lho.
       
        Quando Crowley e Frater O.V. evocaram décimo - primeiro Æthyr foi mostrado a eles a fortaleza na fronteira do Abismo com seus guerreiros protegendo-a ele soube por seu Sagrado Anjo Guardião que não poderia proteger-se das  abominações do Abismo de forma externa e consciente, quando só então realinharam seus pensamentos e utilizando-se de um procedimento mágicko correto conjuraram o  Habitante do Abismo, cujo nome é Choronzon, onde Crowley menciona: "Ele não um ser realmente. No Abismo não existe um ser definido, ele contém todas as formas possíveis, todas igualmente vazias, cada mal no verdadeiro sentido da palavra – ininteligível, porém maléfico desejando intensamente ser real. Essas formas serpenteiam aleatoriamente num monte de poeira e cada uma tentando se agregar afirmando ser um individuo gritando “Eu sou Eu” apesar de ciente todo o tempo de que suas partes não estão verdadeiramente unidas; o menor distúrbio dissipa a ilusão como um cavaleiro chutando um monte de areia espalhando-o pelo chão". Ora, é este fato que passa despercebido pelos magistas thelêmicos, que sua fragilidade está na falta de domínio do Ego. Pois Choronzon é o pior dos demônios que exaltam iludindo o magista trazendo a egolatria como forma de manutenção da personalidade mágicka. Mas, esta é uma personalidade mágicka doentia, errada, falsa, desconectada com a Verdadeira Vontade e desconectada com a realidade interior  e superior do indivíduo. Ele poderá viver toda sua vida vivendo a ilusão de que realizou uma iniciação sem nunca ter conseguido nada. E o pior, atrairá para si, Ordálias e mais Ordálias, como fórmula para acordar para a realidade, mas sua estupidez e cegueira egóica o fará acreditar que sua ilusão é a realidade, então o que fazer? Deixemos que os tolos e os miseráveis morram em sua miséria, afinal que somos nós para querer mudá-los se eles mesmos preferem manterem-se em sua estupidez. 
       Como guerreiros nós Iniciamos em Thelema nossa luta interior e nos defendemos, para decisivamente derrotar o atacante colocando nossa vontade à liberdade, não para destruí-lo -- pois para todos nós a vida é um bem precioso! -- mas controlando e impedindo que sua ação nos destrua. Isto que nós realizamos como nossa própria batalha pessoal, usando o inimigo externo somente como um ponto focal para a auto-realização, controlando e derrotando o inimigo verdadeiro. Reconhecer tal fato é compreender que esta é a verdadeira natureza da Iniciação Thelêmica no trajeto do guerreiro na Estrela de Prata!

Amor é a lei, amor sob vontade.