VORTEX

POR fRATER MAGISTER

novas perguntas e respostas de um irmão na senda

 

Frater Black: Um assunto complicado ser expulso pela divina providência. Franz Bardon adverte sobre a poderosa magia sexual na qual o homem e a mulher ao se juntar usam a quadripolaridade de IHVH, elétrico e magnético, positivo e negativo, lunar e solar e com isso pode-se realizar qualquer desejo. Mas toma-se cuidado ao se usar esse poder, pois se usarmos de maneira equivocada poderemos ser “Abandonados pela divina providencia” na qual é ilustrada na bíblia pela expulsão de Adão e Eva do paraíso. Diz-se que muitas pessoas temem a magia negra justamente por essa grande possibilidade. Quando se é expulso se perde também a “lei do carma”, se está livre do seu julgo, não há mais “destino” algum pra nós, não há mais ninguém olhando por nós.

Frater Magister: Aquele que não vai ao encontro da dissolução do Ego fatalmente se desintegra nas bases das estruturas psicológicas e gnósticas que são determinantes de sua identidade atual, escravo de seus  processos emotivos. Você está descrente de sua própria estrutura social, na qual acredita que a humanidade e os princípios que a regem roubam-lhe a sua unidade, através da própria Vontade, ele busca uma nova Verdade, na Magia, para manter sua integridade ou readquirir o equilíbrio.
Praticamente se harmoniza, como a Natureza, observando a evolução do seu discurso da Verdade conforme sua harmonia cósmica cognitiva e motivacional. Este processo é que nos restitui a visão da unidade do Ser e da sua relação direta com a sociedade, que passa a não mais castrar os seus desejos puros. A sociedade não passa mais a ditar e impor verdades a fim de manter controlada.  A palavra carma tem sua origem na raiz sânscrita "kri", que significa, literalmente, ação, ato. Sabe-se que toda ação provoca uma reação e esta por sua vez, condiciona ou impulsiona um novo e determinado tipo de ação, o qual provoca nova reação, e assim sucessivamente. Somos o produto do nosso passado. Tudo o que temos ou não temos, tudo o que sofremos, que sabemos ou não sabemos, é resultado de nossas ações anteriores. Isto não significa que o nosso destino esteja traçado deterministicamente. Temos duas liberdades: a primeira consistiria na forma com que aceitamos os resultados de nossas ações anteriores e, a segunda, a liberdade que temos para nortear as nossas ações presentes, de tal forma que provoquem reações mais suaves no futuro.
O fenômeno cármico pode ser comparado com a imagem de um menino atirando pedras no espaço. A força com que uma pedra é atirada, o seu tamanho e a sua direção dependem da vontade, ou seja, do livre-arbítrio de quem a atira. A trajetória desta pedra no espaço depende do meio ambiente que atravessa e da lei da gravidade. Todo ser é livre para atirar uma pedra no tamanho, na forma e direção que quiser. Aí cessa a sua intervenção no fenômeno. A trajetória dessa pedra, a partir do momento em que ela sai da sua mão, já não lhe pertence e segue leis que fogem ao seu controle imediato, mas as conseqüências que esta pedra provoca em seu caminho são de inteira responsabilidade de quem a atirou. Podemos, em determinado momento de nossa existência, desistir de atirar pedras ou aprender a atirá-las de forma útil e correta. Esta atitude não nos livrará das conseqüências das ações anteriores, porém será uma capitalização que renderá bons dividendos no futuro. Exemplo: Vamos supor que entremos na posse de um terreno abandonado e nele queiramos plantar um pomar. Inicialmente, teríamos que ir limpando gradativamente o terreno, plantando nos lugares certos e de forma correta, as árvores frutíferas. Se plantarmos uma por dia, no fim de um ano teremos 365 árvores, que ainda não produzem frutos. A um observador desavisado que olhasse o terreno ao fim deste ano de plantio, nada ou pouca coisa teria mudado. Mas, se continuarmos o nosso trabalho, mais outro ano, mais outro século, mais outro milênio, ou por quanto tempo queiramos, dia virá em que todo o terreno se transformará em um útil pomar, resultado de um trabalho diário, constante, contínuo, pouco espetacular e singularmente eficiente. Tudo isto nos leva a analisar o conceito de absolvição dos pecados, através do arrependimento e da confissão. A idéia é magnífica e certamente inspirada em planos mais elevados. Leva o indivíduo a libertar-se de uma carga mórbida de culpa que o paralisaria. Leva também a aceitação do destino atual, com suas dores e angústias, com a resignação que só os que sabem que estão errados podem ter. Leva ainda ao desejo e, com o tempo, ao fato, de evitar-se a repetição dos mesmos erros que, por sua vez, levariam a situação semelhante. A primeira conseqüência foi encampada pela moderna ciência da Psicanálise, aliviando tensões excessivas e angústias improdutivas. A segunda e a terceira conseqüências são as condições de liberdade que temos de aceitação do destino atual e a capacidade de, com nossas ações presentes, forjar um destino mais evoluído e inteligente no futuro. Com estas noções preliminares expostas, podemos agora analisar um aspecto pouco difundido da Lei do Carma, ou seja, a possibilidade de existir um carma negativo e um carma positivo. Em primeiro lugar, todos os fenômenos da natureza se apresentam sob o aspecto dualístico de negativo e positivo, e o carma não é e nem poderia ser uma exceção. Em segundo lugar, é um absurdo imaginarmos Deus, ou as Leis que o representam, cobrando contas dos seres que cometem erros, proporcionais aos seus estágios evolutivos. Não podemos esquecer que a Lei do Carma é função da lei maior que é a Lei da Evolução, a qual rege todo o Universo criado. Assim sendo, desde que o ser aprenda a lição e pague os seus débitos "até o último centavo", seu carma está liberado. "Vá e não peques mais", foi a ordem dada a Maria de Magdala e a todos nós. Vá, o seu carma está liberado, e não peques mais, ou seja, não crie novo carma. Assim, podemos concluir que o débito contraído com um determinado indivíduo pode ser resgatado em indivíduos diferentes. Exemplificando: não é por termos assassinado alguém em uma das encarnações anteriores que devemos ser assassinados nesta encarnação por esta mesma pessoa. Imaginemos que a Providência Divina seja um grande Banco, onde podemos sacar e depositar quantias em dinheiro. O dinheiro que sacamos, ou seja, o mal que fazemos, poderá ser pago na ajuda aos necessitados do presente. Se assim não fora, como pagaríamos o crime cometido contra Jesus? Ele mesmo nos deu a resposta: "amando ao próximo, como a si mesmo". Outro conceito difundido de forma errônea, é a ligação que se faz entre carma e dor. Carma nem sempre é dor. Pode ser alegria do dever cumprido, da dívida resgatada, do irmão ajudado nas inúmeras formas que um irmão pode ajudar o outro. Quem está consciente de uma dívida e um dia pode pagá-la, este é um dia de alegria. Acontece que, neste planeta, nesta época, os credores são poucos e os devedores são muitos, confundindo-se o carma com resgate obrigatório e, portanto, doloroso. Finalizando, podemos afirmar que não existe pessoas ou grupos cuidando da aplicação da Lei do Carma. Esta Lei, aliás como todas as Leis que regulam o funcionamento da Criação, funcionam automaticamente de forma independente de fiscalizações ou aplicações de terceiros. Como toda Lei, pode ser contrabalançada, adiada ou contestada, mas nunca iludida. Como exemplo temos a lei da gravidade, que pode ser contrabalançada por outro tipo de energia que a equilibre ou a supere, mas ela continua existindo e atuando (cessada a força que a contrabalança, imediatamente a gravidade agirá). Assim, também o Carma poderá ser contrabalançado e adiado, mas em qualquer dia, em qualquer lugar de qualquer tempo, deverá ser resgatado, até o último centavo, pois as Leis de Deus são sábias, iniludíveis, inelutáveis e trabalham pela evolução do homem, dos seres e de todas as coisas.

Frater Black: Nós somos os únicos responsáveis por nossos destinos, pois ninguém mais “providenciará” nada em nossas vidas. Mas se olharmos mais a fundo, isso é um tanto mais complicado de se entender do que parece. Mesmo não existindo essa coisa de luz e trevas no sentido mundano da palavra, vamos colocar dessa forma. Vamos supor que nós somos abandonados pela luz, por Deus, pela “providencia”. O que acontece com nossa mônada? Ela perderia o direito à evolução? Ela estaria abandonada por todas as outras mônadas divinas? Estaria fora da jogada? Como a mônada nunca pode ser morta ou destruída, ela se tornaria um ser vagante e solitário no universo? Ou se vincularia a alguma outra esfera? O que acontece realmente? Não tem conserto após isso?

Frater Magister: De forma alguma. A natureza da mônada não é estática, não se perde, não retrocede. Encontrar a unidade do Ser exige um mecanismo próprio de  discurso  - do Ser para o Ser. Temos que evitar os hábitos culturais impostos para poder encontrar os caminhos e as novas Verdades transformadoras, a fim de serem conquistadas as Vontades próprias, fundamentos de nosso equilíbrio. Não há uma regra para se ver os caminhos, nem podemos generalizar todos os modelos das situações desconhecidas do Ser, mas podemos pensar sobre essas posturas, na observação das Verdades de fato: 
- Podemos não levar em consideração o que está acontecendo, ou o que já aconteceu, e sentir que nunca aconteceu;
- Podemos aceitar tudo pelas aparências e sentir que sabemos o que está se passando;
- Podemos ficar presos a um fato porque não conseguimos desprezá-lo, nem conseguimos aceitá-lo totalmente.
Quando estudamos ocultismo, evidenciamos haver um quarto movimento, este constante, considerado cósmico: seria algo como agir acreditando que nada tivesse acontecido, aceitando tudo pelas aparências. Já disse isto antes, mas é algo como aceitar e desprezar ao mesmo tempo num único evento. Nunca acharmos que sabemos, nem sentirmos que nada aconteceu. Agir como se estivéssemos nos controlando, mesmo que estejamos tremendo por dentro. Agindo dessa maneira, anulamos a obsessão e entendemos a universalidade do Ser. Não importa o tempo nem o modo de como o processo de reintegração da unidade do Ser ocorrerá. O fundamental para o homem é que o mecanismo seja desenvolvido, naturalmente, de forma evolutiva, através da capacidade de absorção de cada um, por aprendizado e práticas, mesmo que ocorram inúmeros erros e  poucos acertos. Pois é este último que nos interessa.

Frater Black: De acordo com os gnósticos, o “órgão kundartiguador” seria o seguinte: Quando se desperta a Kundalini “negativamente” ou quando alguém que a despertou positivamente começa a cometer “erros”, ao invés da kundalini subir as 33 vértebras da coluna vertebral (simbologicamente os 33 anos de idade de cristo) e acender os chacras “brancos ou positivos” ela desce através do osso do cóccix e começa a formar um “rabo” que eles dizem ser o rabo de satanás. Esse rabo é como se fosse um “espelho negro” da nossa coluna vertebral, contendo os mesmos chacras que contem na coluna, só que inversos, “negros ou negativos”. Esse “rabo” absorve a energia emanada pela lua, energia inteiramente lunar do sexo tântrico, etc. Os sete chacras “brancos” seriam os sete portões do paraíso, descrito na bíblia em apocalipse como as sete igrejas da Ásia.

Frater Magister: Os sete chacras correspondem as sete esferas da Qabbalah, as sete sephiroth acima do abismo, as Qliphot são parte integrantes da essência das sephiroth, eles tratam da purificação do magista, antes que o mesmo se lance em Daat na linha abismal para só depois atingir o triângulo superno atingindo o ápice do "Não Ser". Há alguns incautos que invertem a posição de Otz Chimm ou Árvore da Vida, evocando a Árvore da Morte e seus poderes. A estes estarão reservados as piores provações e porque não dizer privações. Não, somos estrelas, ou astros errantes que preferimos dançar no movimento cósmico em consonância com a música do "universo". O contrário, traz a ilusão da felicidade que se transformará rapidamente na "dor" do achar que tem poder "sobre", quando sequer tem poder "para"...

Frater Black: Se observarmos bem esses textos veremos grande familiaridade com as etapas de evolução de um iniciado. De contraparte, os sete chacras negros seriam os “sete portões do inferno” e as mesmas etapas de evolução em uma iniciação negra. Esses chacras negros conferem os mesmos e exatos poderes que os “brancos” ou seja, um mago negro teria os mesmos poderes que um mago branco ou teurgo, só que usando energias inversas. Quando o órgão kundartiguador ou “rabo de satanás’ alcança o ápice das 33 vértebras negativas, ocorre uma “fusão de nossos corpos lunares que foram criados no decorrer da evolução negra e nos tornamos um “demônio”. De acordo com esse ponto de vista, um aspirante a “mago branco” não teria o órgão kundartiguador, somente os negros. Essas informações conferem? O que me diz a respeito?

Frater Magister: Sim, são também as 10 esferas, mais os vinte dois caminhos e Daat, que formam os 33 graus da maçonaria arquetípica.

Frater Black: Uma pergunta um pouco mais "cabulosa". Se alguém procurasse sua ajuda para fazer um "pacto de sangue" com Lúcifer, você ajudaria? Cobraria? (obviamente para não dividir carma)Ou simplesmente não faria?
 
Frater Magister: Não, nem um, nem outro. Vou tentar elucidar a natureza real de um Pacto com espíritos. A natureza do Pacto a semelhança daquilo que sonhamos como o pacto de sangue de Fausto ao eterno Diabo Mefistófeles de algum inferno como representação do mal não existe. Logo um pacto quando tratado é mais na verdade um pacto da carne do que do espírito, o corpo do pactuante é entregue a servir as hostes de de algum ser trevoso, de um deus ou de uma egrégora, isto porque nossa alma imortal é intocável e imaculada. Entretanto, o espírito pode sim ser condenado a servir. Só que esta servidão está sob égide de leis universais que são eternas e que rezam que a nossa natureza para fins evolutivos é mutável e adaptável. Ora, o espírito (vamos chamar assim) uma vez liberto da matéria, materializará em si próprio a formação energética que se impingiu a si mesmo enquanto vivo. Assim digamos, a visão astral de um ser da zona de malva, ou dos umbrais de planos interdimensionais é nada mais, nada menos que a visão daquilo que o ser humano simplesmente criou para si mesmo enquanto na matéria.  
Sempre a busca do Pacto se dá para atingir objetivos materiais, como amor, sucesso nos negócios ou dinheiro. Lógico dinheiro é bom, todos nós gostamos de ter o bolso "cheio", só que não podemos nos tornar escravos do dinheiro, como observo que muitos na verdade o são. Gostar do que é bom e gostar de viver bem não constitui nenhuma infração às Leis Universais. A maioria das pessoas buscam também um pouco da dignidade perdida muitas vezes se julgando vítimas de circunstâncias alheias à sua vontade, daí a busca pelo caminho da matéria e da pirâmide invertida.         Entretanto, para um magista que exerce a prática além da teoria, é muito comum o pacto com as entidades que lhes assistem. A ligação de uma entidade com um magista avançado traz benefícios por uma lei de singularidades que faz que o movimento evolutivo do plano manifesto também aja sobre a entidade espiritual. Como exemplo, a aproximação de qualquer ser de classe elemental com os seres humanos, é benéfica pois um elemental só consegue atuar no plano em que está o seu elemento, ao passo, que na sua associação com um magista, lhe é facultado o aprendizado para trabalho em outros planos. A cadeia evolutiva tem diversos caminhos. Todos os Ritos componentes de todas as correntes mágickas eu possivelmente devo tê-los conhecido e realizado, desde os cruzamentos das seitas Afro-brasileiras, Feitiçaria, Cigania, Magia Hermética, Thelêmica, Templária, etc. Em todos os Ritos há uma espécie de formalização de pacto com um deus, com entidades, com orixás, santos, etc. Obviamente muito diferente disto, foi caso de um conhecido que pactuou com um ser sombrio do umbral  um vampiro,  e lhe fez promessas de sangue que não teve (e nem deveria ter) coragem de cumprir. O resultado disto foi catastrófico, culminando na perda de seus bens materiais, de sua família, de sua dignidade e de sua sanidade, o objetivo alcançado durou pouco e não é isto que pretendemos, por que seria ridículo, a magistas experimentados, assumir tal postura. 
Assim, o que se pretende é que nos tornemos, Sacerdotes de uma potência astral. A natureza de tal pacto é degrau acima do entendimento profano. Se você trabalha na conformidade com as Leis Universais os benefícios serão muitos, mas também existe a fórmula de você ser contrário a estas leis universais (atuar com forças contrárias), daí os benefícios serão temporários e ilusórios - quanto tempo? - três anos, sete anos, não sabemos dizer. Assim a natureza do serviço prestado aliado a um "feeling" aguçado podem realmente trazer o poder, a riqueza material e a riqueza espiritual.  A força das energias telúricas lhe impulsionarão a se tornar alguém que se gosta um tanto mais. Se a gente se odeia, não se gosta, automaticamente o corpo se torna desprezível ou repulsiva por assim dizer. Quando alguém se gosta, este gostar estará fazendo uma grande transmutação a ponto de modificar a vida da pessoa. Lógico não existe estética que um bom cirurgião plástico não resolva. Dinheiro, um bom Spa, uma plástica, lipoaspiração, são conseqüências naturais de quem quer viver bem. Se você acredita ter um potencial inexplorado e é este potencial que pretendemos chamá-lo a explorar e colocar para fora. Trazer a chama do Mago de modo a produzir a transmutação de seus sentidos interiores. A evolução do homem porquanto do "psicossoma do homo sapiens" para o "homo veritas" enfrenta naturalmente  a natureza demoníaca inserida nos umbrais de nossos registros akáshicos que compreendem a essência da alma imortal. É natural que os demônios façam uma força de oposição, eles em sua natureza tal como o tigre enjaulado, não querem nos servir, e estão prontos para dar o bote tão logo nos descuidemos. Estes tropeços, entretanto, fazem parte de nosso aprendizado. Mesmo através de um pacto ritualístico este representará um alto aprendizado pela troca de conhecimentos que ele representará. Nenhum poder dos arcanos é livremente descoberto tal como se levantássemos os véus de um recôndito mistério. Eles são conquistados por alguém cuja natureza deverá estar preparada para tal. A proteção de Ritos específicos deixarão o magista  energeticamente preparado. Pois, nesse caso sua percepção será dilatada. "Daimons" são encarregados de servir o grande sacerdote da "Luz". Daí vocês na  conformidade com suas naturezas aprenderão, tal como o maestro, a reger a sua orquestra invisível. Ou seja, nada é dado de bandeja ao ocultista, ele estará preparado para assimilar o conhecimento na medida em que sua mente se torne suscetível a ele. Conhecer é uma coisa, empregar o conhecimento com Sabedoria é outra coisa bem distinta. Saber trabalhar em cada plano, em cada esfera da Qabalah, ter livre acesso aos portais do subconsciente, são instrumentos a serem  utilizados se sua mente, sua imaginação e sua vontade pessoal forem convenientemente exploradas e direcionadas. Só assim o conhecimento lhe sorrirá com um aceno e você se sentirá livre para progredir. Já dizia uma sábio que a cegueira é só a ilusão daquele que fecha os olhos para o mundo, afinal o que é pior que alguém que tem dois olhos e não quer enxergar? Se as pessoas que vêm até nós, vierem armadas com sua egrégoras vampíricas, mal intencionadas naquilo que julgam ser suas defesas, estas pessoas impedirão a realização natural do processo, pois haverá ali um bloqueio. Entretanto, se vierem de coração e mente abertos não para xeretarem e sim para aprenderem e também tentar alcançar um objetivo, então serão bem vindas. Uma Iniciação não pode deixar de ser menos cabalístico e nem temos a intenção de nos desgastar física, energética ou materialmente por "ninguém". Qualquer Mago Iniciador necessita receber aquilo que é justo para cumprir com as obrigações para com a sua Ordem e com o Templo. Chegou a hora de você colocar "o Universo" e suas fontes inesgotáveis para trabalharem à seu favor. Tudo em termos de realizações podem ser conquistadas com relativa facilidade se você estiver com seu "feeling" aberto a novas percepções que lhe serão ministradas, isto implica até em conclusões inesperadas, jamais tendo sido fonte de reflexão anteriormente. Se você estiver bem receptivo ao que lhe passaremos, possivelmente vislumbrará a multiplicação desse conhecimento que poderá ser transmitido também a outras pessoas que se beneficiarão disto. Temos o objetivo de nos tornarmos pessoas melhores, seres humanos melhores a cada dia. Enfim, nós não queremos que você acredite em nada antes de comprovar por experiência própria, queremos mostrar do que vocês são capazes, o que particularmente acreditamos ser mais louvável. Existe a também a possibilidade  de vocês  edificarem um pequeno grupo de estudos, um círculo. Este grupo deveria ser composto por estas 07 pessoas, Deveriam ser pessoas com sede de saber e sede de poder desenvolver seus potenciais mágickos, pois deste grupo se originam Lojas especialmente ligadas diretamente a Nova Ordem do Templo (Society O.T.O. International). Nessas Lojas  qualquer membro é magickamente defendido, onde todos os inimigos em comum são destruídos ou dissuadidos a nos esquecerem. Desenvolvemos o equilíbrio mágicko entre o Raio Negro e o Raio Verde onde é ensinado a trabalharem e ostentarem um altar edificado a Adonai e outro Baphomet. Nossas Lojas são formadas por grupos seletos, auto-seletivos na verdade, sendo que qualquer um para entrar nesse círculo deverá ter a aprovação da maioria dos membros. Também ajudamos magickamente algumas pessoas que não são membros diretos. A fórmula mágicka de nosso trabalho é secreto, jamais sendo divulgada e só pessoas que sejam interessantes a nós e a nossa causa são aprovadas para o ingresso nesse nosso grupo. Necessitamos disto para crescermos e todos os membros da Loja estarão pactuados conosco e receberão nossa proteção e nosso apoio direto e indireto. Nos nossos Ritos as formas evocadas são reais e todos presentes podem vê-la e/ou sentir fortemente sua presença. É algo mágicko e absolutamente real e verdadeiro, e por isso mesmo perigoso para fracos e desavisados - fenômenos mágickos ou de efeito físico ocorrem também com certa freqüência. Existe um Rito de Proteção onde parece que nosso corpo é rasgado, e este possibilita o controle imediato sobre qualquer demônio de maior ou menor grandeza, possibilita o banimento e o exorcismo de qualquer demônio seja de alguém possuído, seja de um ambiente astralmente atacado, problemas pessoais mais importantes e talvez até casos de saúde, desde que, repito, venham de  alma, coração e mente aberta. Tenho visto muitas Ordens repletas de baboseiras e blá, blá blás e afins e não passam sequer de sombras em relação a uma verdadeira Confraria Oculta que obviamente não é divulgada em seu verdadeiro teor e você que busca o caminho, intuitivamente sabe disso. Em sua grande maioria não tem conhecimento prático e nem de causa e efeito - são os teóricos de botequim, com raras, muito raras exceções onde temos o prazer de conviver e aprender os mecanismos da Magia Hermética Sagrada.  Tudo isto é muito normal, pois o caminho nos leva a introspecção, nos faz meditar sobre nossos verdadeiros valores e sobre o sentido da vida. O Saber não dá a paz almejada, pois aquele que sabe sofre mais em virtude daquele que não sabe. E assim seguimos o caminho entremeios a pedras, desilusões, amarguras, numa tentativa desenfreada de buscar a tão almejada felicidade interior. Um estado supremo, um estado mágico, talvez Nirvana, Samadhi, e assim seguimos em frente. Mas, o que poderia dizer a você é que em cada segundo da vida procuro viver de forma intensa e isto perturba as mentes mais fracas desacostumadas com a liberdade interior característica de quem é Iniciado no Caminho desde que este satisfaça inteiramente a nossa Verdadeira Vontade rumo a realização plena da Grande Obra.

Frater Black: Percebi uma coisa por esses dias nitidamente: Meu ego está morrendo! Está em um processo acelerado graças a técnicas de tantra negro que eu estou efetuando. Mas só fui me dar conta de quão acelerado está este processo a poucos dias. Resta muito pouco hoje da pessoa que eu era, das coisas que eu julgava serem importantes, das coisas que eu julgava gostar. Estou me aproximando velozmente das trevas, posso senti-la em mim todos os dias em todos os instantes. O meu astral (sonhos) estão mais tenebrosos do que nunca. Sinto que algo de grande irá acontecer e está muito próximo... Só não tenho muita certeza do que...

Frater Magister: Cuidado meu amigo, para não chegar no ponto onde acabará perdendo o controle da situação. Mantenha às rédeas em mãos e cuidado para não se tornar o conduzido ao invés do condutor. Esta é uma das regras básicas da Magia. O condutor, a carruagem e os cavalos. Chicotear a carroça não porá os cavalos em movimento, mas as rédeas poderão direcioná-los, se perder as rédeas, os cavalos poderão desembestar sem rumo algum, e esta é uma das piores maneiras de se lançar no abismo. Pular sobre os cavalos e desprezar a carroça é querer adiantar-se em algo que está por muitas vezes degrau acima da compreensão mundana.